sexta-feira, dezembro 31, 2010

2011

Hoje estaremos no último dia do ano de 2010... depois da meia-noite, virá o Ano Novo...
O engraçado é que - teoricamente - continua tudo igual...
Ainda seremos os mesmos.
Ainda teremos os mesmos amigos.
Alguns o mesmo emprego.
As mesmas dívidas (emocionais e/ou financeiras).
Ainda seremos fruto das escolhas que fizemos durante a vida.
Ainda seremos as mesmas pessoas que fomos este ano...
A diferença, a sutil diferença, é que quando o relógio nos avisar que é meia-noite, do dia 31 de dezembro de 2010, teremos um ano IN-TEI-RI-NHO pela frente!
Um ano novinho em folha! Como uma página de papel em branco, esperando pelo que iremos escrever.
Um ano para começarmos o que ainda não tivemos força de vontade, coragem ou fé...
Um ano para perdoarmos um erro, um ano para sermos perdoados dos nossos....
365 dias para fazermos o que quisermos...
Sempre há uma escolha...
E, exatamente por isso, eu desejo que você faça as melhores escolhas que puder.
Agradeça por estar vivo e ter sempre mais uma chance para recomeçar.
Agradeça as suas escolhas, pois certas ou não, elas são suas.
E ninguém pode ou deve questioná-las.
Quero agradecer aos amigos que eu tenho.
Aos que me 'acompanham' desde muito tempo.
Aos que eu fiz este ano.
Aos que eu escrevo pouco, mas lembro muito.
Aos que eu escrevo muito e falo pouco.
Aos que moram longe e não vejo tanto quanto gostaria.
Aos que moram perto e eu vejo sempre.
Aos que me 'seguram', quando penso que vou cair.
Aos que eu dou a mão, quando me pedem ou quando me parecem um pouco perdidos.
Aos que ganham e perdem.
Aos que me parecem fortes e aos que realmente são.
Aos que me parecem anjos, mas estão aqui e me dão a certeza de que este mundo é mesmo divino.
Que 2011 seja um ano de transformação na sua vida, que nele vc tenha muita paz, amor, alegrias, perseverança e muito mas muito sucesso nos seus objetivos.
Que sua estrela brilhe muito em 2011 .

Feliz Ano Novo!!!!!!!!!!!!!!!!!


quinta-feira, dezembro 23, 2010

Just like heaven


Nem é porque é quase Natal, que senti essa vontade compulsiva de escrever aqui hoje. E sabe lá se alguém lê esse blog. Pra falar a verdade nem sei quem são essas pessoas que o visitam todo dia. Elas nunca deixam comentário ou qualquer tipo de manifestação que estiveram aqui. Simplesmente não dizem nada.

Isso aqui era pra ser algo meu, só meu, excluivamente pessoal, mas tomou dimensão. Já até me definiram erroneamente por algumas coisas que eu escrevi: meus desabafos pessoais. Hoje é mais um desses desabafos pro mundo ouvir.

Eu cansei de ser triste, mas não consigo ser alegre. Me falta tudo na vida. Eu sou a pessoa mais miserável que existe. E não tem essa de que eu tenho um teto pra morar ou algumas roupas pra vestir. Isso não é nada. O que um adulto deveria ter, eu não tenho. Cadê as minhas oportunidades na vida? Será que fui cega demais para não vê-las? Ou nasci na família errada? Ou escolhi errado todos os meus caminhos? Não sei o que pode ter dado errado. Sempre agi certo com todo mundo, ou pelo menos achei que tinha agido certo com elas. Vai saber!

Natal do ano passado, foi uma coisa triste demais. Eu estava apaixonada, enlouquecida por alguém. Não deu certo. Fui até humilhada por ele quando disse que não tinha combinado de passar essa data comigo. Enfim, já é outro Natal e essa mesma pessoa me diz que está vindo pra minha cidade. Por que dizer que está vindo para onde eu estou e me dizer? Será que é para me deixar informada de que vai estar aqui, ou é pra dizer de novo que não combinou de passar o Natal comigo? De qualquer forma, nunca gostei dessas festas bestas de fim de ano. Nunca ganhei presente de ninguém. E olha que eu já dei muitos. Palhaçada!!! É palhaçada o que eu ouví de um gringo todo feliz: its christmas time --magic happens this time of year .

O que me deixa mais triste é não existir pra minha tosca família. Existem porta -retratos com fotos de todo mundo pela casa, menos uma foto minha. Eu não existo pra eles. Eu não consigo me lembrar quando foi que eu morri. Mas eu sei quando me mataram. Quando tiraram de mim todos os meus sonhos de querer crescer: eu, num quarto presa dia e noite estudando sozinha(auto didata), pq nao tinha como pagar um cursinho, estudando pra passar numa prova de vestibular, porque eu acreditava que estudando eu mudaria meu destino, e alguém escreve na minha porta a palavra LOUCA. É... quando se tem apoio nada é impossível. Pra mim a vida não me deu apoio.


O tempo passou. Já sou uma mulher adulta faz tempo. E nada aconteceu. E ainda acho alguém pra dizer que eu poderia ser grande. Queria saber como... como? Porque ninguém pode dizer que eu não tenha lutado, porque eu lutei, eu tentei... eu tentei muito. Fiz coisas que eu nao queria. Passei fome, perdi noites sem dormir. Me humilhei e fracassei. Agora eu desisto. Não aguento mais.












FELIZ OLHAR NOVO!!!


FELIZ OLHAR NOVO

O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho de sua história.

O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse AQUI E AGORA.

Claro que a vida prega peças. É lógico que por vezes, o pneu fura, chove demais... mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez por dia.

Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? Quero viver bem.

2010 foi um ano cheio.

Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões.

Normal.

Às vezes se espera demais das pessoas.

Normal.

A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou.

Normal.

2011 não vai ser diferente.

Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua persona lidade que nem sempre é o que a gente deseja, mas e ai? Fazer o quê? Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? O que eu desejo para todos nós é sabedoria!

E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência!
Que todos nós consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim...

Entender o amigo que não merece a nossa melhor parte. Se ele decepcionou passe-o para a categoria Três, a dos amigos. Ou mude de classe, transforme-o em colega. Além do mais, a gente provavelmente, também já decepcionou alguém.

O nosso desejo não se realizou? Beleza, não estava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra este momento. Faz-me lembrar sempre um lance que adoro:

CUIDADO COM SEUS DESEJOS, ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE.

Chorar de dor, de solidão, de tristeza, faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes.

Desejo para todo mundo esse olhar especial. 2011 pode ser um ano especial, muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos e dermos a volta nisso. Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro.

2011 pode ser o bicho, o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular... ou...
Pode ser puro orgulho!
Depende de mim, de você!
Pode ser.
E que seja!!!

Feliz olhar novo!!!

Que a virada do ano não seja somente uma data, mas um momento para repensarmos tudo o que fizemos e que
desejamos, afinal sonho e desejos podem se tornar realidade somente se fizermos jus e acreditarmos neles.

UM ANO NOVO CHEIO DE MUNDANÇAS!!!
FELIZ 2011!!!

Feliz Natal e um próspero Ano Novo, cheio de realizações e novas conquistas.

Com carinho!
Cleo

As mudanças dos anos 70/80 para os dias de hoje

As mudanças dos anos 70/80 para os dias de hoje:

Antes era:
Agora é:

creme rinse
condicionador

obrigado
valeu

é complicado
é foda

collant
body

rouge
blush

ancião e coroa
véi

bailinho e discoteca
balada

japona
jaqueta

nos bastidores
making off

cafona
brega

programa de entrevistas
talk-show

reclame
propaganda

calça cocota
calça cintura baixa

flertar, paquerar
dar mole

oi, olá, como vai?
e aê?

cópia, imitação
genérico

curtir, zoar
causar

mamãe, posso ir?
véiaaaa, fui!!!

legal, bacana
manero, irado

mulher de vida fácil
garota de programa

legal o negócio
xapado o bagúio

pasta de dente
creme dental

cansaço
estresse

desculpe
foi mal

oi, tudo bem?
e aê, belê?

ficou chateada
ficou bolada

médico de senhoras
ginéco

superlegal
irado

primário e ginásio
ensino fundamental

preste atenção!
se liga!

por favor
quebra essa

recreio
intervalo

radinho de pilhas
ipod

manequim
modelo e atriz

retrato
foto

jardineira
macacão

mentira
kaô

saquei
tô ligado

entendeu?
copiou?

gafe
mico

fofoca, ti-ti-ti
babado

ha ha ha
uhauhauhauha

fotocópia
xerox

brilho labial
gloss

bola ao cesto
basquete

folhinha
calendário

empregada doméstica
secretária

faxineira
diarista

vou verificar
vou estar verificando

madureza
supletivo

vidro fumê
insulfilm

posso te ligar?
posso te add?

tingir uma roupa
customizar

dar no pé, ir embora
vazar

embrulho
pacote

lycra
stretch

tristeza
deprê

beque
zagueiro

rádio patrulha
viatura

atlético
sarado

peituda
siliconada

professor de ginástica
personal

quadro negro
board

babosa
aloe vera

lepra
hanseníase

Ave Maria!!!
Afffff!!

caramba
caraca

namoro
pegação

laquê
spray

de montão
pracarai!

derrame
AVC

chapa dos pulmões
raio-x

sua bênção, papai
"qualé", coroa?

você tem certeza?
ah! fala sério!

banha
gordura localizada

alisamento
chapinha

buteco no fim do expediente
happy hour

costureira
estilista

negro
afro-descendente

professora
tia, profe

senhor
tiozinho

bunduda
popozuda!

Amorrrrrrr!
Benhhêêêêê!



E ai mano véi, atualizô? Agora vaza geral aí pra galera atualizá também, tá ligado?!

terça-feira, dezembro 14, 2010

Por que as mulheres demoram tanto no banheiro?

Tendi... Ah tá! Agora está explicado porque as mulheres demoram tanto no banheiro...

É tragicômico e patético, mas cada palavra traduz a mais pura verdade. Nenhuma mulher no mundo pode negá-lo.

Para que as mulheres riam e os homens entendam PORQUE DEMORAMOS TANTO NO BANHEIRO! hehehehe


O grande segredo de todas as mulheres com relação aos banheiros é que quando pequenas, quem as levava ao banheiro era sua mãe. Ela ensinava a limpar o assento com papel higiênico e cuidadosamente colocava tiras de papel no perímetro do vaso e instruía:

"Nunca, nunca sente em um banheiro público"
E, em seguida, mostrava "a posição", que consiste em se equilibrar sobre o vaso numa posição de sentar sem que, no entanto, o corpo não entre em contato com o vaso.

"A Posição" é uma das primeiras lições de vida de uma menina, super importante e necessária, e irá nos acompanhar por toda a vida. No entanto, ainda hoje, em nossa vida adulta, "a posição" é dolorosamente difícil de manter quando a bexiga está estourando.

Quando você TEM que ir ao banheiro público, você encontra uma fila de mulheres, que faz você pensar que o Bradd Pitt deve estar lá dentro. Você se resigna e espera, sorrindo para as outras mulheres que também estão com braços e pernas cruzados na posição oficial de "estou me mijando".

Finalmente chega a sua vez, isso, se não entrar a típica mamãe com a menina que não pode mais se segurar. Você, então verifica cada cubículo por baixo da porta para ver se há pernas. Todos estão ocupados. Finalmente, um se abre e você se lança em sua direção quase puxando a pessoa que está saindo. Você entra e percebe que o trinco não funciona (nunca funciona); não importa... você pendura a bolsa no gancho que há na porta e se não há gancho (quase nunca há gancho), você inspeciona a área.. o chão está cheio de líquidos não identificados e você não se atreve a deixar a bolsa ali, então você a pendura no pescoço enquanto observa como ela balança sob o teu corpo, sem contar que você é quase decapitada pela alça porque a bolsa está cheia de bugigangas que você foi enfiando lá dentro, a maioria das quais você não usa, mas que você guarda porque nunca se sabe...

Mas, voltando à porta... Como não tinha trinco, a única opção é segurá-la com uma mão, enquanto, com a outra, abaixa a calcinha com um puxão e se coloca "na posição". Alívio...... AAhhhhhh.....finalmente... Aí é quando os teus músculos começam a tremer... Porque você está suspensa no ar, com as pernas flexionadas e a calcinha cortando a circulação das pernas, o braço fazendo força contra a porta e uma bolsa de 5 kg pendurada no pescoço. Você adoraria sentar, mas não teve tempo de limpar o assento nem de cobrir o vaso com papel higiênico. No fundo, você acredita que nada vai acontecer, mas a voz de tua mãe ecoa na tua cabeça "jamais sente em um banheiro público!!!" e, assim, você mantém "a posição" com o tremor nas pernas...

E, por um erro de cálculo na distância, um jato finíssimo salpica na tua própria bunda e molha até tuas meias! Por sorte, não molha os sapatos. Adotar "a posição" requer grande concentração. Para tirar essa desgraça da cabeça, você procura o rolo de papel higiênico, maaassss, puuuuta que o pariuuuu...! O rolo está vazio...! (sempre)

Então você pede aos céus para que, nos 5kg de bugigangas que você carrega na bolsa, haja pelo menos um miserável lenço de papel. Mas, para procurar na bolsa, você tem que soltar a porta. Você pensa por um momento, mas não há opção...

E, assim que você solta a porta, alguém a empurra e você tem que freiá-la com um movimento rápido e brusco enquanto grita OCUPAAADOOOO!!!

Aí, você considera que todas as mulheres esperando lá fora ouviram o recado e você pode soltar a porta sem medo, pois ninguém tentará abrí-la novamente (nisso, as mulheres nos respeitamos muito) e você pode procurar teu lenço sem angústia. Você gostaria de usar todos, mas quão valiosos são em casos similares e você guarda um, por via das dúvidas. Você então começa a contar os segundos que faltam para você sair dali, suando porque você está vestindo o casaco já que não há gancho na porta ou cabide para pendurá-lo.

É incrível o calor que faz nestes lugares tão pequenos e nessa posição de força que parece que as coxas e panturrilhas vão explodir. Sem falar da porrada que você levou da porta, a dor na nuca pela alça da bolsa, o suor que corre da testa, as pernas salpicadas...

A lembrança de tua mãe, que estaria morrendo de vergonha se te visse assim, porque sua bunda nunca tocou o vaso de um banheiro público, porque, francamente, "você não sabe que doenças você pode pegar ali" ... você está exausta. Ao ficar de pé você não sente mais as pernas. Você acomoda a roupa rapidíssimo e tira a alça da bolsa por cima da cabeça!

Você, então, vai à pia lavar as mãos. Está tudo cheio de água, então você não pode soltar a bolsa nem por um segundo. Você a pendura em um ombro, e não sabendo como funciona a torneira automática, você a toca até que consegue fazer sair um filete de água fresca e estende a mão em busca de sabão. Você se lava na posição de corcunda de notre dame para não deixar a bolsa escorregar para baixo do filete de água... O secador, você nem usa. É um traste inútil, então você seca as mãos na roupa porque nem pensar usar o último lenço de papel que sobrou na bolsa para isso.

Você então sai. Sorte se um pedaço de papel higiênico não tiver grudado no sapato e você sair arrastando-o, ou pior, a saia levantada, presa na meia-calça, que você teve que levantar à velocidade da luz e te deixou com a bunda à mostra!

Nesse momento, você vê o teu carinha que entrou e saiu do banheiro masculino e ainda teve tempo de sobra para ler um livro enquanto esperava por você. "Por que você demorou tanto?" pergunta o idiota. Você se limita a responder "A fila estava enorme"

E esta é a razão porque as mulheres vão ao banheiro em grupo. Por solidariedade, já que uma segura a tua bolsa e o casaco, a outra segura a porta e assim fica muito mais simples e rápido já que você só tem que se concentrar em manter "a posição" e a dignidade.

Obrigada a todas as amigas que já me acompanharam ao banheiro.

segunda-feira, dezembro 13, 2010

2011



A todos vcs que me mandaram correntes que prometiam fortuna e dinheiro em 2010 aviso que:
NÃO ESTÁ FUNCIONANDO!!!
Por isso, para 2011, mandem o dinheiro diretamente!
Obrigado.

domingo, dezembro 12, 2010

Silvio Santos fez parte da minha infância


Silvio Santos completa 80 neste domingo (12). Apesar do momento inoportuno - com a crise financeira do Grupo Silvio Santos -, a comemoração está garantida, afinal são décadas de sucesso.

O apresentador que começou sua trajetória como camelô na cidade do Rio de Janeiro, conquistou seu lugar ao sol e hoje é considerado um dos maiores ícones da televisão brasileira. Carismático e comunicativo, Silvio é querido pelos quatros cantos do país.


Apesar da crise e de boatos sobre uma possível aposentadoria, o “Homem do Baú” continua comandando com maestria seu programa dominical exibido pelo SBT. Nesta data mais que especial, o Famosidades reuniu para você, caro leitor, uma galeria de fotos com a trajetória de Senor Abravanel, ou, como é conhecido, Silvio Santos.

O SBT completa 30 anos de emissora. Posso dizer que eu me lembro de tentar assistir ao canal, ainda criança, em meio a tantos chuviscos. A imagem nítida como nos dias de hoje, só mesmo da Rede Globo. Me lembro ainda que todo mundo tentava conseguir ver como era o rosto do Silvio Santos. Com a imagem ruim, só dava pra ver que seu sorriso era largo.

Me lembro que o pica-pau só passava no SBT e que também existia um desenho que era uma novelinha dominical que contava a história da menina Andy. Era lindo! Havia muitos presentes no palco e as crianças tinham que brincar de estátua quando a música parava.

São muitas lembranças, inclusive o ciúme do meu avô pelo Silvio, só porque minha avó gostava de assistir ao programa que começava de manhã e terminhava as 22horas no domingo. Ou seja, conforme a música dos Titãs: "domingo, programa Silvio Santos". rs...

Eu podia passar horas escrevendo aqui, contudo o que fica é que admiro esse homem que é o melhor apresentador do país e que tem uma visão de mercado e de vida como ninguém.

Feliz 80 anos de idade Silvio Santos!

quinta-feira, dezembro 09, 2010

Dezembro


...há impossibilidade de ser além do que se é -
no entanto eu me ultrapasso mesmo sem o delírio,
sou mais do que eu, quase normalmente -
tenho um corpo e tudo que eu fizer é continuação
de meu começo......
a única verdade é que vivo.
Sinceramente, eu vivo.
Quem sou? Bem, isso já é demais...

Clarice Lispector

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Família Rocha


Grupo de genealogia da Família Rocha no Brasil e Portugal. Descubra seus ancestrais, suas origens. Troque informações com outros membros de sobrenome Rocha, envie fotos, participe do chat.

Afirmam alguns genealogistas que a família deste nome provém de um «Monssu» de la Roche que teria ido para Portugal durante o reinado de Afonso III, tendo-o ajudado na conquista de Silves, último reduto árabe nos Algarves de aquém-mar. Quanto à sua nacionalidade, nela não acertam tais autores, se bem que se diga que era francês ou flamengo. Concretamente, no entanto, o que se sabe é que viveram em Portugal no tempo de D. João I, e dele foram partidários na luta contra Castela, três irmãos de nomes Luís, Gomes e Raimundo da Rocha, a quem os genealogistas, neste ponto concordes, dão o tratamento de dom, que só lhes poderia advir do Don Espanhol. De um ou mais dentre eles podem descender os Rochas portugueses.

Armas: De prata, uma aspa de vermelho, carregada de cinco vieiras de ouro. O timbre atribuído a estas armas é a aspa do escudo carregada de uma das vieiras ao centro.

Família Oliveira


Família antiga, cujo membro mais remoto que se conhece é Pedro de Oliveira, casado com Elvira Anes Pestana, filha de João Pestana, o Moço, do qual teve: D. Martim Pires de Oliveira, arcebispo de Braga, que instituiu o morgado de Oliveira no ano de 1350 para seu irmão Pedro e deixou geração ilegítima; Pedro Pires de Oliveira, administrador do morgado de Sobrado ou de Vale de Sobrados, que instituiu e nele nomeou D. Rodrigo, bispo de Lamengo, filho de seu tio D. Martinho, e que se recebeu com D. Mor Mendes, de quem deixou filhos; Mem Pires de Oliveira, nomeado em primeiro lugar para administrar o vínculo de Oliveira, casou com Guiomar Martins, filha de Martim Pires Podentes e de D. Teresa Martins, com geração; D. Usenda de Oliveira, mulher de Afonso Anes de Brito, o clérigo de Évora, Maria Pires, casada com Lourenço Pires de Soalhães; João Pires, que sucederia na administração do vínculo de Oliveira, depois de extinta a linha do primeiro chamado; e Teresa Pires. O solar desta família é no Paço de Oliveira, freguesia de Santa Maria de Oliveira, no termo de Arcos de Valvedez.




BRASÃO DE ARMAS




Uma das famílias Oliveira teve suas armas de brasão vermelho, uma oliveira de verde. Modernamente, e decerto para as fazer condizer com as tais regras, passaram a ser: de vermelho, uma oliveira de verde, perfilada e flutuade de ouro e arrancada de prata. Timbre: a oliveira do escudo.

Pareceria óbvio e simples pensar que os primeiros Oliveira simplesmente plantavam olivas, mas a longa história é que, poucos anos antes de 1500, os judeus foram expulsos da península ibérica. Os reis da Espanha e Portugal lhes "concederam" a possibildade de converter-se ao cristianismo para poderem ficar. Muitos foram embora, mas os que optaram por ficar mantiveram os costumes judaicos, adotando somente aparências cristãs, como por exemplo mudar de sobrenome. Na forma, deixaram de ser judeus, mas no fundo seguiam sendo. Chamaram-se a partir de então: sefarditas ou sefardin (diz-se que Sepharad seria uma região asiática antiga). Os sefarditas eram na verdade judeus que perderam seus nomes, mantendo os costumes religiosos dentro de casa somente. Seus sobrenomes passaram a ser cristãos (como Santa Maria, Espirito Santo, Sant'Anna) ou traduções de seus sobrenomes judeus, os quais podiam ser derivados de ocupações (Pescador, Pastor), nomes de animais (Leão, Baratoa, Carneiro) e nomes de plantas (Pereira, Laranjeira, Oliveira). Desconheço se realmente eles seriam agricultores na Península Ibérica; o que parece mais provável é que o fossem vários séculos antes, quando as famílias ainda estivessem na Ásia.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

Ensinamentos das MÃES DE ANTIGAMENTE:

Ensinamentos das MÃES DE ANTIGAMENTE:

Pra lembrar, e rir.
Coisas que nossas mães diziam e faziam...

Era uma forma, hoje condenada pelos educadores e psicólogos, mas funcionou
com a gente e por isso não saímos seqüestrando a namorada, calculando a
morte dos pais, ajudando bandido a seqüestrar a mãe, não nos aproveitamos
dos outros, não pegamos o que não é nosso, nem matando os outros por ai, etc...


Minha mãe ensinou a VALORIZAR O SORRISO...
"ME RESPONDE DE NOVO E EU TE ARREBENTO OS DENTES!"

Minha mãe me ensinou a RETIDÃO...
"EU TE AJEITO NEM QUE SEJA NA PANCADA!"

Minha mãe me ensinou a DAR VALOR AO TRABALHO DOS OUTROS...
"SE VOCÊ E SEU IRMÃO QUEREM SE MATAR, VÃO PRA FORA. ACABEI DE LIMPAR A
CASA!"

Minha mãe me ensinou LÓGICA E HIERARQUIA...
"PORQUE EU DIGO QUE É ASSIM! PONTO FINAL! QUEM É QUE MANDA AQUI?"

Minha mãe me ensinou o que é MOTIVAÇÃO...
"CONTINUA CHORANDO QUE EU VOU TE DAR UMA RAZÃO VERDADEIRA PARA VC CHORAR!"


Minha mãe me ensinou a CONTRADIÇÃO...
" FECHA A BOCA E COME!"


Minha Mãe me ensinou sobre ANTECIPAÇÃO...
"ESPERA SÓ ATÉ SEU PAI CHEGAR EM CASA!"


Minha Mãe me ensinou sobre PACIÊNCIA...
"CALMA!... QUANDO CHEGARMOS EM CASA VOCÊ VAI VER SÓ..."


Minha Mãe me ensinou a ENFRENTAR OS DESAFIOS...
"OLHE PARA MIM! ME RESPONDA QUANDO EU TE FIZER UMA PERGUNTA!"

Minha Mãe me ensinou sobre RACIOCÍNIO LÓGICO...
"SE VOCÊ CAIR DESSA ÁRVORE VAI QUEBRAR O PESCOÇO E EU VOU TE DAR UMA SURRA!"


Minha Mãe me ensinou sobre o REINO ANIMAL...
"SE VOCÊ NÃO COMER ESSAS VERDURAS, OS BICHOS DA SUA BARRIGA VÃO COMER VOCÊ!"


Minha Mãe me ensinou sobre GENÉTICA...
"VOCÊ É IGUALZINHO AO SEU PAI!"

Minha Mãe me ensinou sobre minhas RAÍZES...
"TÁ PENSANDO QUE NASCEU DE FAMÍLIA RICA É?"

Minha Mãe me ensinou sobre a SABEDORIA DE IDADE...
"QUANDO VOCÊ TIVER A MINHA IDADE, VOCÊ VAI ENTENDER."

Minha Mãe me ensinou sobre JUSTIÇA...
"UM DIA VOCÊ TERÁ SEUS FILHOS, E EU ESPERO ELES FAÇAM PRÁ VOCÊ O MESMO QUE
VOCÊ FAZ PRA MIM! AÍ VOCÊ VAI VER O QUE É BOM!"


Minha mãe me ensinou RELIGIÃO...
"MELHOR REZAR PARA ESSA MANCHA SAIR DO TAPETE!"

Minha mãe me ensinou o BEIJO DE ESQUIMÓ...
"SE RABISCAR DE NOVO, EU ESFREGO SEU NARIZ NA PAREDE!"


Minha mãe me ensinou CONTORCIONISMO...
"OLHA SÓ ESSA ORELHA! QUE NOJO!"

Minha mãe me ensinou DETERMINAÇÃO...
"VAI FICAR AÍ SENTADO ATÉ COMER TODA COMIDA!"


Minha mãe me ensinou habilidades como VENTRÍLOCO...
"NÃO RESMUNGUE! CALA ESSA BOCA E ME DIGA POR QUE É QUE VOCÊ FEZ ISSO?"

Minha mãe me ensinou a SER OBJETIVO...
"EU TE AJEITO NUMA PANCADA SÓ!"

Minha mãe me ensinou a ESCUTAR ...
"SE VOCÊ NÃO ABAIXAR O VOLUME, EU VOU AÍ E QUEBRO ESSE RÁDIO!"

Minha mãe me ensinou a TER GOSTO PELOS ESTUDOS...
"SE EU FOR AÍ E VOCÊ NÃO TIVER TERMINADO ESSA LIÇÃO, VOCÊ JÁ SABE!..."

Minha mãe me ajudou na COORDENAÇÃO MOTORA...
"JUNTA AGORA ESSES BRINQUEDOS!! PEGA UM POR UM!!"

Minha mãe me ensinou os NÚMEROS...
"VOU CONTAR ATÉ DEZ. SE ESSE VASO NÃO APARECER VOCÊ LEVA UMA SURRA!"





Eu, não virei bandido.

O que é um ipad?


O que é o iPad?
Em essência, o iPad é um “iPhone gigante”, mas não tem funções de celular, embora possa ser usado para chamadas por meio da internet (com uso de programas VoIP). O aparelho navega na internet por meio de conexões sem fio (Wi-Fi e 3G). Ele também traz conexão Bluetooth para se comunicar com periféricos, como teclados e webcams sem fio.

Quais sãos as dimensões e o peso?
O iPad tem uma tela touchscreen de 9,7 polegadas e mede 24 cm de altura por 19 cm de largura. A espessura é de 1,3 cm e o peso é de 680 gramas (modelo sem 3G) e 730 gramas (modelo com 3G).

Quais as versões do iPad e quanto elas custam?
Serão seis versões do iPad: três apenas com conexão Wi-Fi e três com Wi-Fi e 3G. A diferença entre os modelos está também na memória. Os preços dos iPads apenas com Wi-FI são US$ 499 (16 GB de memória), US$ 599 (32 GB) e US$ 699 (64 GB). As versões com Wi-Fi e 3G custam US$ 629 (16 GB), US$ 729 (32 GB) e US$ 829 (64 GB). Todos os modelos vêm com um processador de 1 GHz fabricando pela própria Apple. Os preços valem apenas para o mercado americano.

Quando o iPad estará disponível para compra?
Os modelos com Wi-Fi começam a ser vendidos nos Estados Unidos no dia 3 de abril. Os modelos com 3G chegarão ao mercado americano no fim do mesmo mês.

E no Brasil?
Ainda não há uma data. Como qualquer aparelho com recursos sem fio vendido oficialmente no Brasil, o iPad terá que passar por homologação da Anatel. Esse processo geralmente leva alguns meses. Na apresentação do iPad, Steve Jobs disse que acordos internacionais para venda do iPad seriam anunciados em junho.

Se eu comprar um iPad nos Estados Unidos, funcionará aqui?
A conexão Wi-Fi funcionará sem problemas, mas a 3G não. O iPad virá com modem 3G desbloqueado, o que em tese garantiria o funcionamento com qualquer cartão SIM de acesso de dados. A pegadinha é que o padrão de cartão usado no iPad será o microSIM, também conhecido como 3FF SIM.

Esse cartão tem cerca da metade do tamanho dos chips 3G atualmente comercializados pelas operadoras brasileiras. Os atuais chips 3G brasileiros, portanto, não poderiam ser encaixados no iPad. É necessário aguardar até que as operadoras forneçam chips no formato microSIM.

Qual a duração da bateria?
A Apple afirma que ela dura 10 horas em uso

Quais os pontos fortes do iPad?
Para começar, o iPad traz a consagrada interface do iPhone, que faz excelente uso da tela touchscreen. O iPad também roda todos os programas feitos para iPhone no tamanho natural ou em tela cheia. Assim, ele já nasce com milhares de programas para expandir as funções originais do aparelho.

O tablet também funciona como leitor de e-books e suporta o formato aberto ePub, além de livros vendidos na nova loja iBook Store. Por ter uma tela maior, o iPad também é uma boa opção para os games criados originalmente para iPhone. Além disso, o modelo 3G permitirá navegação GPS com Google Maps.

Quais os pontos fracos do iPad?
São quatro pontos fracos relevantes. O primeiro é a falta de suporte à tecnologia Flash, muito usada em animações de sites e transmissão de vídeo na web. O segundo ponto é a falta de uma webcam.

O terceiro ponto fraco é a falta do “multitasking”, termo que denomina a capacidade de rodar vários programas ao mesmo tempo. Na maioria das situações, o iPad roda apenas um programa de cada vez. Ou seja, se estiver vendo um vídeo e quiser abrir um documento de texto, o usuário tem que fechar o tocador de vídeo para poder abrir o programa de texto. Apenas alguns programas básicos podem ser executados simultaneamente.

Finalmente, o iPad não traz entradas para equipamentos USB ou para cartões SD. Por isso, para conectar qualquer periférico o usuário terá que adquirir adaptadores, vendidos separadamente.

segunda-feira, novembro 29, 2010

Rio de Janeiro

Eu podia me calar diante do que aconteceu na última semana no mundo e principalmente no Rio de Janeiro. As Forças Armadas juntamente com a polícia civil do Rio, Polícia Federal, e o BOPE entraram nas favelas cariocas com força total e tanques de guerra da Marinha do Brasil. Pela primeira vez na história, foram incisivos contra o narcotráfico no Brasil.

A população expressivamente apoiou a atitude das autoridades e finalmente pode ver uma verdadeira ação contra a bandidagem. A esperança de uma vida sem mortes, drogas, medo é enorme com a tática usada.

O Rio de Janeiro clamava por essa atitude há décadas. Com uma Olimpíada e uma Copa do Mundo de futebol por vir, era mais do que necessário uma atitude como essa. Os olhos do mundo se voltaram para o Brasil. Em todos os jornais impressos e televisivos o assunto foi a GUERRA NO RIO. A Anistia Internacional pediu cautela no tratamento contra os traficantes, assegurando-lhes direitos humanos. Está se vendo que eles não vivem a realidade do mundo das drogas e não sabem como são impiedosos esses traficantes, sem qualquer tipo de direito humano contra suas vítimas, sejam elas, homens, mulheres e em sua grande maioria, crianças.

Centenas de traficantes foram pegos, presos e alguns mortos com o contra ataque de tiros. Eles pareciam não acreditar que a polícia fosse subir em seus morros e tirar-lhes a única coisa que tinham: o território. São tão covardes que a maioria se escondeu nas casas de inocentes ameaçando-lhes a vida, caso não lhes dessem guarita.

Uma quantidade surreal de drogas e armamento bélico foi encontrada. Imediatamente, segundo autoridades, essas drogas foram pulverizadas evitando a circulação. As armas foram pintadas de branco para sinalizar desuso.

Uma cena de cinema REAL aconteceu na última semana. Acredito que o filme Tropa de Elite 2 tenha sido responsável conscientemente nas cabeças das pessoas que o assistiram apoiando o BOPE. A indignação de mais de 400 mil pessoas moradoras das favelas foi mostrada realisticamente, embora seja uma obra de ficção, neste filma. O reconhecimento de que alguma coisa tinha que ser feita foi constatado nos últimos dias.
O que se espera agora é PAZ. Paz que nunca foi vista nos morros. Liberdade de andar livremente sem medo. Esperança pelas crianças de um Rio de Janeiro melhor, de um Brasil melhor e consciente. Que seja essa semana um divisor de águas de um ontem feio e corrupto para um futuro próspero.

sexta-feira, novembro 26, 2010

Larga de bobeira



Porque não larga de bobeira e vem ficar comigo

E deixa o sentimento apenas te levar

To precisando do seu beijo e do seu carinho

Eu to te esperando pra gente se amar.

Chega de me controlar aceite como eu sou

Chega de falar que tenho outro amor

Te quero só pra mim

Chega de fazer promessa pro meu coração

Eu já não agüento essa solidão

Porque me trata assim

Será que não percebe o quanto eu te amo

Quando a saudade bate é seu nome que eu chamo

E tudo que eu olho me lembra você

Será que não percebe o quanto eu te quero

Cansei dessa ilusão faz tempo que eu te espero

Eu já tentei mas não consigo te esquecer

quarta-feira, novembro 17, 2010

Black Eyed Peas - The Time (Dirty Bit)

Até o príncipe Willian noivou


Após 30 anos do casamento de seu pai, Charles, com sua mãe, Diana, o príncipe William decidiu ficar noivo de sua namorada, Kate Middleton.

Mas para selar a união com sua amada, o príncipe não economizou na imaginação e no romantismo. William deu o anel de noivado de Diana para sua futura esposa. “É o meu jeito de garantir que a minha mãe não perca a emoção do dia de hoje e o fato de que estaremos passando o resto de nossas vidas juntos”, disse.

A joia, um anel de safira azul com diamantes, foi exibido pelo casal em sua primeira entrevista depois do noivado. “Como vocês devem reconhecer agora, este é o anel de noivado da minha mãe. Então, claro, é muito especial para mim, e Kate é muito especial para mim também. É correto que as duas sejam colocadas juntas”, contou.

“É muito lindo. É muito, muito especial”, declarou Kate sobre o presente do amado.

Em entrevista à BBC, William contou que pediu a mão de Kate em casamento no mês passado, quando os dois faziam uma viagem ao Quênia. William comentou a expectativa gerada em torno de seu longo namoro: “Foi no momento certo e estou muito feliz por ter feito isso”.

Mas o noivado não foi um ato de impulsividade, não. William contou que pensou muito sobre o assunto. “Estávamos falando sobre casamento há algum tempo, por isso não foi uma grande surpresa. Eu vinha planejando isso por um tempo. Realmente me senti bem na África. Tinha feito um planejamento para mostrar o meu lado romântico”, disse.

Durante a entrevista, o casal se mostrou bastante apaixonado. “Quando vi Kate pela primeira vez, eu sabia que tinha algo muito especial nela. Enfrentamos algumas barreiras, como qualquer relacionamento, mas escolhemos ficar juntos. Sou extremamente muito engraçado e ela adora isso”, afirmou William.

“Obviamente, nós estamos muito empolgados. Eles praticaram tempo suficiente”, brincou o Príncipe Charles, pai de William.

Os pais de Kate também falaram sobre o namoro de sua filha com o príncipe: “Eles formam um casal adorável, são bem divertidos e nós damos muitas risadas juntos. Tivemos que conhecer William muito bem. Todos nós o achamos maravilhoso e somos apaixonados por ele”.

Príncipe William e Kate Middleton têm 28 anos e estão há oito namorando. Eles se conheceram na Universidade de Saint Andrews, na Escócia. O casamento está planejado para acontecer no próximo ano em Londres.

Príncipe William e Kate Middleton vão se casar em 2011. Os dois anunciaram que estão noivos e deve ser o maior evento real desde o casamento entre seus pais, o Príncipe Charles e Diana em 1981. O noivado real foi anunciado em um comunicado: "O Príncipe de Gales tem o prazer de anunciar o noivado do príncipe William a Miss Catherine Middleton. O casamento deverá acontecer na Primavera ou Verão de 2011, em Londres.

segunda-feira, novembro 15, 2010

Criador da Apple


“Estou honrado de estar aqui, na formatura de uma das melhores universidades do mundo. Eu nunca me formei na universidade. Que a verdade seja dita, isso é o mais perto que eu já cheguei de uma cerimônia de formatura. Hoje, eu gostaria de contar a vocês três histórias da minha vida. E é isso. Nada demais. Apenas três histórias.

A primeira história é sobre ligar os pontos.

Eu abandonei o Reed College depois de seis meses, mas fiquei enrolando por mais 18 meses antes de realmente abandonar a escola. E por que eu a abandonei? Tudo começou antes de eu nascer. Minha mãe biológica era uma jovem universitária solteira que decidiu me dar para a adoção. Ela queria muito que eu fosse adotado por pessoas com curso superior. Tudo estava armado para que eu fosse adotado no nascimento por um advogado e sua esposa. Mas, quando eu apareci, eles decidiram que queriam mesmo uma menina.

Então meus pais, que estavam em uma lista de espera, receberam uma ligação no meio da noite com uma pergunta: “Apareceu um garoto. Vocês o querem?” Eles disseram: “É claro.”

Minha mãe biológica descobriu mais tarde que a minha mãe nunca tinha se formado na faculdade e que o meu pai nunca tinha completado o ensino médio. Ela se recusou a assinar os papéis da adoção. Ela só aceitou meses mais tarde quando os meus pais prometeram que algum dia eu iria para a faculdade. E, 17 anos mais tarde, eu fui para a faculdade. Mas, inocentemente escolhi uma faculdade que era quase tão cara quanto Stanford. E todas as economias dos meus pais, que eram da classe trabalhadora, estavam sendo usados para pagar as mensalidades. Depois de seis meses, eu não podia ver valor naquilo.

Eu não tinha idéia do que queria fazer na minha vida e menos idéia ainda de como a universidade poderia me ajudar naquela escolha. E lá estava eu, gastando todo o dinheiro que meus pais tinham juntado durante toda a vida. E então decidi largar e acreditar que tudo ficaria ok.

Foi muito assustador naquela época, mas olhando para trás foi uma das melhores decisões que já fiz. No minuto em que larguei, eu pude parar de assistir às matérias obrigatórias que não me interessavam e comecei a frequentar aquelas que pareciam interessantes. Não foi tudo assim romântico. Eu não tinha um quarto no dormitório e por isso eu dormia no chão do quarto de amigos. Eu recolhia garrafas de Coca-Cola para ganhar 5 centavos, com os quais eu comprava comida. Eu andava 11 quilômetros pela cidade todo domingo à noite para ter uma boa refeição no templo hare-krishna. Eu amava aquilo.

Muito do que descobri naquela época, guiado pela minha curiosidade e intuição, mostrou-se mais tarde ser de uma importância sem preço. Vou dar um exemplo: o Reed College oferecia naquela época a melhor formação de caligrafia do país. Em todo o campus, cada poster e cada etiqueta de gaveta eram escritas com uma bela letra de mão. Como eu tinha largado o curso e não precisava frequentar as aulas normais, decidi assistir as aulas de caligrafia. Aprendi sobre fontes com serifa e sem serifa, sobre variar a quantidade de espaço entre diferentes combinações de letras, sobre o que torna uma tipografia boa. Aquilo era bonito, histórico e artisticamente sutil de uma maneira que a ciência não pode entender. E eu achei aquilo tudo fascinante.

Nada daquilo tinha qualquer aplicação prática para a minha vida. Mas 10 anos mais tarde, quando estávamos criando o primeiro computador Macintosh, tudo voltou. E nós colocamos tudo aquilo no Mac. Foi o primeiro computador com tipografia bonita. Se eu nunca tivesse deixado aquele curso na faculdade, o Mac nunca teria tido as fontes múltiplas ou proporcionalmente espaçadas. E considerando que o Windows simplesmente copiou o Mac, é bem provável que nenhum computador as tivesse.

Se eu nunca tivesse largado o curso, nunca teria frequentado essas aulas de caligrafia e os computadores poderiam não ter a maravilhosa caligrafia que eles têm. É claro que era impossível conectar esses fatos olhando para frente quando eu estava na faculdade. Mas aquilo ficou muito, muito claro olhando para trás 10 anos depois.

De novo, você não consegue conectar os fatos olhando para frente. Você só os conecta quando olha para trás. Então tem que acreditar que, de alguma forma, eles vão se conectar no futuro. Você tem que acreditar em alguma coisa – sua garra, destino, vida, karma ou o que quer que seja. Essa maneira de encarar a vida nunca me decepcionou e tem feito toda a diferença para mim.


Minha segunda história é sobre amor e perda.


Eu tive sorte porque descobri bem cedo o que queria fazer na minha vida. Woz e eu começamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Trabalhamos duro e, em 10 anos, a Apple se transformou em uma empresa de 2 bilhões de dólares e mais de 4 mil empregados. Um ano antes, tínhamos acabado de lançar nossa maior criação — o Macintosh — e eu tinha 30 anos.
E aí fui demitido. Como é possível ser demitido da empresa que você criou? Bem, quando a Apple cresceu, contratamos alguém para dirigir a companhia. No primeiro ano, tudo deu certo, mas com o tempo nossas visões de futuro começaram a divergir. Quando isso aconteceu, o conselho de diretores ficou do lado dele. O que tinha sido o foco de toda a minha vida adulta tinha ido embora e isso foi devastador. Fiquei sem saber o que fazer por alguns meses.


Senti que tinha decepcionado a geração anterior de empreendedores. Que tinha deixado cair o bastão no momento em que ele estava sendo passado para mim. Eu encontrei David Peckard e Bob Noyce e tentei me desculpar por ter estragado tudo daquela maneira. Foi um fracasso público e eu até mesmo pensei em deixar o Vale [do Silício].


Mas, lentamente, eu comecei a me dar conta de que eu ainda amava o que fazia. Foi quando decidi começar de novo. Não enxerguei isso na época, mas ser demitido da Apple foi a melhor coisa que podia ter acontecido para mim. O peso de ser bem sucedido foi substituído pela leveza de ser de novo um iniciante, com menos certezas sobre tudo. Isso me deu liberdade para começar um dos períodos mais criativos da minha vida. Durante os cinco anos seguintes, criei uma companhia chamada NeXT, outra companhia chamada Pixar e me apaixonei por uma mulher maravilhosa que se tornou minha esposa.


A Pixar fez o primeiro filme animado por computador, Toy Story, e é o estúdio de animação mais bem sucedido do mundo. Em uma inacreditável guinada de eventos, a Apple comprou a NeXT, eu voltei para a empresa e a tecnologia que desenvolvemos nela está no coração do atual renascimento da Apple.


E Lorene e eu temos uma família maravilhosa. Tenho certeza de que nada disso teria acontecido se eu não tivesse sido demitido da Apple.


Foi um remédio horrível, mas eu entendo que o paciente precisava. Às vezes, a vida bate com um tijolo na sua cabeça. Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me permitiu seguir adiante foi o meu amor pelo que fazia. Você tem que descobrir o que você ama. Isso é verdadeiro tanto para o seu trabalho quanto para com as pessoas que você ama.


Seu trabalho vai preencher uma parte grande da sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz.


Se você ainda não encontrou o que é, continue procurando. Não sossegue. Assim como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. E, como em qualquer grande relacionamento, só fica melhor e melhor à medida que os anos passam. Então continue procurando até você achar. Não sossegue.


Minha terceira história é sobre morte.


Quando eu tinha 17 anos, li uma frase que era algo assim: “Se você viver cada dia como se fosse o último, um dia ele realmente será o último.” Aquilo me impressionou, e desde então, nos últimos 33 anos, eu olho para mim mesmo no espelho toda manhã e pergunto: “Se hoje fosse o meu último dia, eu gostaria de fazer o que farei hoje?” E se a resposta é “não” por muitos dias seguidos, sei que preciso mudar alguma coisa.


Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo — expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar — caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração.


Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração.
Há um ano, eu fui diagnosticado com câncer. Era 7h30 da manhã e eu tinha uma imagem que mostrava claramente um tumor no pâncreas. Eu nem sabia o que era um pâncreas.


Os médicos me disseram que aquilo era certamente um tipo de câncer incurável, e que eu não deveria esperar viver mais de três a seis semanas. Meu médico me aconselhou a ir para casa e arrumar minhas coisas — que é o código dos médicos para “preparar para morrer”. Significa tentar dizer às suas crianças em alguns meses tudo aquilo que você pensou ter os próximos 10 anos para dizer. Significa dizer seu adeus.


Eu vivi com aquele diagnóstico o dia inteiro. Depois, à tarde, eu fiz uma biópsia, em que eles enfiaram um endoscópio pela minha garganta abaixo, através do meu estômago e pelos intestinos. Colocaram uma agulha no meu pâncreas e tiraram algumas células do tumor. Eu estava sedado, mas minha mulher, que estava lá, contou que quando os médicos viram as células em um microscópio, começaram a chorar. Era uma forma muito rara de câncer pancreático que podia ser curada com cirurgia. Eu operei e estou bem.


Isso foi o mais perto que eu estive de encarar a morte e eu espero que seja o mais perto que vou ficar pelas próximas décadas. Tendo passado por isso, posso agora dizer a vocês, com um pouco mais de certeza do que quando a morte era um conceito apenas abstrato: ninguém quer morrer. Até mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para chegar lá.


Ainda assim, a morte é o destino que todos nós compartilhamos. Ninguém nunca conseguiu escapar. E assim é como deve ser, porque a morte é muito provavelmente a principal invenção da vida. É o agente de mudança da vida. Ela limpa o velho para abrir caminho para o novo. Nesse momento, o novo é você. Mas algum dia, não muito distante, você gradualmente se tornará um velho e será varrido. Desculpa ser tão dramático, mas isso é a verdade. O seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de um outro alguém. Não fique preso pelos dogmas, que é viver com os resultados da vida de outras pessoas. Não deixe que o barulho da opinião dos outros cale a sua própria voz interior. E o mais importante: tenha coragem de seguir o seu próprio coração e a sua intuição. Eles de alguma maneira já sabem o que você realmente quer se tornar. Todo o resto é secundário.


Quando eu era pequeno, uma das bíblias da minha geração era o Whole Earth Catalog. Foi criado por um sujeito chamado Stewart Brand em Menlo Park, não muito longe daqui. Ele o trouxe à vida com seu toque poético. Isso foi no final dos anos 60, antes dos computadores e dos programas de paginação. Então tudo era feito com máquinas de escrever, tesouras e câmeras Polaroid.


Era como o Google em forma de livro, 35 anos antes de o Google aparecer. Era idealista e cheio de boas ferramentas e noções. Stewart e sua equipe publicaram várias edições de Whole Earth Catalog e, quando ele já tinha cumprido sua missão, eles lançaram uma edição final. Isso foi em meados de 70 e eu tinha a idade de vocês.


Na contracapa havia uma fotografia de uma estrada de interior ensolarada, daquele tipo onde você poderia se achar pedindo carona se fosse aventureiro. Abaixo, estavam as palavras:
“Continue com fome, continue bobo.” Foi a mensagem de despedida deles. Continue com fome. Continue bobo. E eu sempre desejei isso para mim mesmo. E agora, quando vocês se formam e começam de novo, eu desejo isso para vocês. Continuem com fome. Continuem bobos.

Obrigado.”

domingo, novembro 14, 2010

Eu que sei.


Eu sei muito bem quem eu sou e o que eu sou, mas eu ainda não sou boa o bastante pra ninguém. Em matéria de relacionamentos eu sou um zero a esquerda, não faço diferença alguma.

Já ouvi de um homem que eu sou normal demais, ou seja, eu não tenho nada que o surpreenda. Não sou louca o suficiente para aguçar seus desejos. De outro eu ouvi que eu me entrego demais a um relacionamento e que na primeira oportunidade eu teria um caso sem medir as consequencias. Que eu não inspiro confiança. Que sou uma pessoa infiel.

Eu não sei como agir então. Não sei o que eu devo ser para um homem. Talvez eu só tenha encontrado pessoas erradas nessa vida. Eu não tenho culpa de ser uma pessoa quieta que valoriza outros tipos de coisas. Não tenho culpa de falar o que eu penso sobre tudo, mas isso não quer dizer que eu faça tudo o que penso. Tenho vivido essa minha vida tão errada assim?

Eu não sou feia. Pessoas perguntam-me por que eu não tenho ninguém sendo eu bonita e muito inteligente. Todos dizem que eu sou muito inteligente, mas onde é que está essa minha inteligência que não me deixa fazer as coisas certas?

Não sou mais criança, e faz tempo que não sou adolescente. Sou uma mulher adulta que sente vontade de ser amada pelo que sou. Amada? Eu disse amada? Acho que essa palavra não seja a correta. O que eu quero mesmo é alguém que se sinta bem perto de mim e que não me cobre o que eu não possa ser.

sábado, novembro 13, 2010

COELHO


Nome chinês: TU
Número de ordem: Quarto
Horas governadas: 5 a.m. - 7 a.m.
Direcção do signo: directamente Leste
Temporada e Mês: Primavera - Março
Signo ocidental: Peixes
Elemento fixo: Madeira
Tronco: Negativo


Uma pessoa nascida no ano do Coelho tem um dos signos animais mais afortunados. O Coelho (ou a Lebre, como se o chama na mitologia chinesa) é o emblema da longevidade, e se diz que sua essência deriva da Lua. Quando um ocidental mira a lua, pode dizer em brincadeira que parece um queijo, ou contar a um menino a história de quando o Homem chegou à lua.
Quando a mira um chinês, vê a Lebre da Lua parada numa rocha, em baixo de uma árvore de Cássia, e com o elixir da Imortalidade entre as patas. Durante a festa chinesa de médio Outono, quando se considera que a Lua seja a mais bonita, os meninos chineses levam ainda em procissão, lanternas de papel feitas à imagem e semelhança de um Coelho e sobem às colinas para admirar a Lebre da Lua.
O Coelho simboliza a graça, as boas maneiras, o sábio conselho, a amabilidade e a sensibilidade para a beleza. Confere graça no falar, modos elegantes e agraciados, e todos os tratos desejáveis num diplomata ou político. Um indivíduo nascido sob este signo terá uma vida calma, gozará de um ambiente pacífico. É reservado, amante da arte, e possui uma boa capacidade de juízo. Sua meticulosidade fará dele, um estudioso erudito. Brilhará nos campos do Direito, da política e do governo. No entanto, tende às mudanças bruscas de humor: em ditos momentos parece afastado do ambiente e indiferente às pessoas.
O Coelho é extremamente afortunado nos negócios e nas transações financeiras. Astuto na conclusão dos acordos, sabe sempre encontrar uma proposta ou uma alternativa adequada que se voltará a seu favor. Seu agudo sentido dos negócios, junto com os dotes inatas de negociador, lhe assegurará uma rápida ascensão em qualquer carreira. Conquanto o Coelho pode assumir um ar exterior de indiferença frente à opinião dos demais, sofre muitíssimo as críticas. Sua técnica "melhor mudar antes do que brigar" pode induzir a engano: e quando quer, sabe ser diabolicamente astuto. Portanto, conquanto o nativo do Coelho é terno e carinhoso com as pessoas que ama, pode ser superficial e inclusive cruel em suas
relações com os estranhos.

Árvore de 23 metros




Árvore de 23 metros chega ao Rockfeller Center, em Nova York. Todos os anos o local abriga uma árvore de natal, se tornando um disputado cartão postal.

segunda-feira, novembro 08, 2010

O que a Bíblia acha sobre o sexo?


Um livro polêmico que une religião e sexo acaba de ser lançado nos Estados Unidos. God and Sex- What the Bible Really Says ( Deus e Sexo – O que realmente a Bíblia diz) de Michael Coogan, professor de religiões do Museu Semítico de Harvard e que fez pós-doutorado em Literatura pela Universidade de Harvard, discute a interpretação do sexo nos textos bíblicos. Coogan, que também é editor do livro New Oxford Annotated Bible, uma referência para os estudiosos de religião, diz que a Bíblia tem uma visão positiva sobre o sexo. Isso porque sexo estaria diretamente associado à reprodução. Em seu novo livro, o estudioso cita diversas passagens eróticas, como o Cântico dos Cânticos do rei Salomão.

Coogan discute o fato de os tradutores dos textos bíblicos terem imposto suas próprias visões e preconceitos quando traduziram do hebreu para outras línguas. Segundo o professor de Harvard, há palavras em hebreu que dão possibilidade para mais de uma interpretação, como mulher e esposa, que significam a mesma coisa. E seguindo essa teoria, o autor diz que não há como provar que Adão e Eva se casaram. Coogan ainda afirma que algumas religiões levam em consideração alguns capítulos do Livro Sagrado, enquanto menosprezam outras passagens que trazem uma diferente visão sobre o mesmo tema, como poligamia. Ele diz que nos escritos bíblicos em hebreu não há nada que nos assegure que devemos ser monogãmicos.

Ele também fala sobre o fato de não haver nenhuma passagem na Bíblia que condene o aborto. “Uma das coisas que eu acho mais interessantes é que no debate contemporâneo sobre o aborto, ambos lados citam e se apóiam na Bíblia como uma referência. Eles falam de versos em que não dizem nada sobre o aborto ”, disse Coogan em uma entrevista a revista Time.

Sobre a sexualidade de Deus, Coogan afirma que Ele é um ser sexual, mas no sentido metafórico e mítico. O estudioso também diz que quando a Bíblia foi escrita, no berço da civilização greco-romana, as pessoas eram menos puritanas. Uma das idéias que elas concebiam era o fato de um Deus vir a Terra e fazer sexo com um mortal.

Vou contar aqui uma pequena passagem da minha vida que tem muito a ver com essas diferentes interpretações bíblicas. Eu não tenho religião, mas venho de uma família bastante religiosa. A minha avó materna, aos 80 anos, um pouco antes de morrer, fundou uma nova igreja evangélica. Ela e um pequeno grupo deram uma nova interpretação à Bíblia em relação a como o Espírito Santo se comunica com os fiéis e, diante desta nova concepção, racharam com os líderes religiosos de sua comunidade. De longe, como espectadora, achei tudo muito curioso para uma mulher octogenária. Foram muitas as novas regras da igreja fundada pela minha avó. Entre as menores, porém não menos importantes, não era permitido nenhum objeto que representasse a natureza em sua forma artificial. Ou seja, minha avó deu fim a todas as toalhas floridas e vestidos estampados. Nunca entendi isso, mas sempre a respeitei. Minha amada avó se foi e sua igreja prosperou. E assim, com difrentes formas de interpretar o Livro Sagrado, se formaram novas religiões no Brasil e no mundo.

Em nosso país, assistimos a proliferação de muitas igrejas, principalmente, entre as neopentecostais. Portanto, acredito que as reflexões de Coogan são no mínimo inquietantes e oportunas. O estudioso deixa uma pergunta no ar, que a faço a vocês:

O que faz com que certas passagens bíblicas sejam relevantes, enquanto que outras que tratam do mesmo assunto sejam absolutamente desconsideradas? E, principalmente, como isso acontece com temas polêmicos, como aborto, homossexualidade e sexo?

sábado, novembro 06, 2010

Cleo por Cleo


Nos útimos tempos só tenho postado palavras e textos que não são meus. Bateu saudade de dizer como estou. Afinal esse é meu blog, rs.


Então já é novembro de novo. O ano passou de repente. Mal dá pra rememorar o que se passou. Alguns dias foram bem significantes, outros nem tanto. Meu ano começou cheio de esperanças, desejos, mas nem sempre a vida dá o que queremos, ou dá o que menos esperamos, por merecimento ou sabe lá porquê.


O que de fato me deixou extremamente curiosa esse ano foi ter pessoas do meu passado retornando à minha vida de alguma forma. Foi assim desde o início. Amigos de décadas atrás.Velhos amigos aparecendo, me visitando, ou mandando algum tipo de notícia. Fantástica essa coisa da vida e o ir e vir interminável de pessoas. Houveram também partidas para o andar de cima - como dizia Miguel Falabella. Perdi um primo querido. Vê-lo ser depositado a sete palmos de terra, não foi uma coisa agradável. Doída até. Enfim. É a vida. Círculo contínuo de sopro de vida e último suspiro.


Fiz algumas pequenas viagens que mudaram muito dentro de mim. Já postei anteriormente textos que expressaram exatamente o que estava vivenciando. Apesar de não serem meus. Me completaram.


Interiormente, estou muito bem. Sei quem sou finalmente. O mais importante é dizer que Felicidade é ser eu mesma. Essa é a frase que tenho pra mim, e espero que perdure.


Quero agradecer a Deus por me manter amiga de pessoas queridas que trago de longa data e que espero estejam comigo, mesmo em pensamento pra sempre.


Amigos : Aline, Anselme, Bruce, Edson, Thiago, Denis, Vinícius, Greziele, Elaine, Camilla, Suliane, Fabiano, Igor, Leonado, Fábio, Eduardo, Valeska, Branca, Tainara.

A Arte de criar o Saluki, o cão do deserto:


Novidades do Golfo Pérsico: O Saluki, para quem não conhece, é um cachorro longilineo, elegante, que costuma ser utilizado em caças no deserto saudita, sírio, jordaniano e egípcio há mais de 7000 anos antes de Cristo. O cachorro tem um andar similar a um gato, é esperto como uma raposa e dócil como uma gazela. Há aproximadamente 800 puros salukis nos Emirados e anualmente é realizado um concurso de beleza entre eles. O príncipe Hamad Ganem Al Ganem, um apreciador dos salukis, realiza premiações anuais e incentivos para a criação dos cães e afirma que os salukis são genuínos cães do deserto, não muito adaptáveis no Ocidente.
Reuni algumas imagens dos Salukis e Hamad, assim também como uma foto onde há um falcão, outro animal belíssimo criado na tradição dos Emirados:
As tradições nos Emirados Árabes Unidos são muito incentivadas nas famílias, há até um departamento administrativo que cuida desses assuntos, incentivando a Arte de tecer tapetes e roupas pelas mulheres, a Arte de construir a tenda, o uso de roupas tradicionais, o cultivo das comidas típicas, a pesca, a dança dos homens e o amor pela leitura.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Intimidade é uma delícia


Dizem que intimidade é uma palavra que tem significado diferente para homens e mulheres. Para os homens, ela seria sinônimo apenas de proximidade física: a possibilidade de tocar, tirar a roupa e transar. Para as mulheres, a palavra refletiria algo inteiramente subjetivo. Significaria a possibilidade de ser compreendida de forma profunda e emocional, com conotações de cumplicidade e acolhimento.

Com base nos meus próprios sentimentos e no comportamento dos homens com que eu tenho convivido, não acho que exista tamanha diferença. Nem a noção masculina de intimidade é inteiramente destituída de sutileza nem as mulheres são completamente alheias ao teor físico e sexual da intimidade. Mas há uma diferença de ênfase. Os homens parecem mais preocupados em obter proximidade física, enquanto as mulheres priorizam algum tipo de contato afetivo e emocional.

Esses, porém, são clichês que nem sempre correspondem à realidade. Lembro de uma moça com quem eu saí algumas vezes que preferia transar com gente estranha. “Informação demais”, ela dizia, “me atrapalha”. E há homens que não se sentem seguros em ir para a cama com uma mulher sem antes criar uma zona de conforto afetivo por meio do conhecimento e do convívio.

Dito isso, eu acho a intimidade essencial e imensamente prazerosa. Todos os tipos. Conversar intensamente com uma mulher, por exemplo, não é apenas um meio para se chegar à intimidade física. É um prazer em si mesmo. Algo que os homens deveriam fazer com menos pressa e com mais cuidado. Desfrutar da intimidade afetiva de uma mulher é um privilégio que frequentemente tem conotações eróticas, embora possa jamais tornar-se físico. É prazer sem sexo, assim como existe sexo sem prazer.

Ao escrever o parágrafo acima me lembrei de uma moça que esteve abertamente apaixonada por seu analista durante alguns meses. Por um longo período, esse foi o tema recorrente da conversa entre eles. De início, quando ela me contou, eu achava aquilo meio bizarro, mas, aos poucos, foi fazendo sentido. Ela sentia tanto prazer em dividir a intimidade dela com o psicanalista que a sensação podia ser percebida como paixão, mesmo sem chegado (que eu tenha sabido) a qualquer forma de contato físico.

Mas intimidade não é sinônimo apenas de conversa e informação. Ela significa estar à vontade para ser você mesmo, em várias dimensões. Seres humanos desabrocham nas situações de intimidade. Eles se tornam mais engraçados, mais frágeis e muito mais ousados. Os homens deixam cair a máscara de conquistador e mostram-se mais ternos e mais complexos, enquanto as mulheres podem dar vazão a aspectos menos convencionais da sua personalidade. Isso tudo tende a ser muito envolvente e muito erótico.
Há quem goste,mas eu acho o sexo sem intimidade uma droga. Coisa de adolescentes e de amadores. Imagine você passar a vida transando uma única vez com as pessoas – essa é a perfeita metáfora do sexo sem intimidade. Há o turbilhão da conquista, há a sensação maravilhosa de ver um corpo nu pela primeira vez, há o triunfo de colocar as mãos num objeto desejado e... pronto, acabou. O resto é precariedade. As mãos desajeitadas. Palavras que faltam ou sobram. A vergonha e a insegurança. O cérebro funcionando numa dimensão paralela. A broxada. O gozo precoce... As possibilidades de erro são tantas que ninguém com alguma vivência leva a sério um fiasco de primeira vez – da mesma forma que as pessoas experientes ficam impressionadas com sexo bom de primeira. É muito improvável.

Sexo bom em geral é precedido de intimidade. Há tempo envolvido, vivências comuns e conhecimento do outro. Você descobre as fantasias que funcionam para os dois - e tem espaço e intimidade para lançar mão delas. Sem esse terreno comum o sexo não avança - ou avança de um lado só, penso, com uma das partes se sentindo incompleta ou insatisfeita enquanto a outra se exibe.

Nos últimos anos eu ouvi várias vezes, em tom de piada, que “intimidade é uma merda”. A queixa se refere aquele momento da relação em que as pessoas fazem xixi de porta aberta e começam a contar coisas que o outro preferiria não saber. Eu nunca achei isso ruim. Acho um preço baixo a pagar pela proximidade física verdadeira, pelo acesso ao corpo e à mente da parceira. Sem essa intimidade, as relações, mesmo gostosas, não passam de teatro: todo mundo fica pelado, interpreta e fala alto, mas ninguém se transforma ou se vincula.

Ivan Martins

segunda-feira, novembro 01, 2010

Juntos pelo Acaso - Trailer [HD]

Faz diferença uma mulher na presidência?


Não tenho resposta para esta pergunta. Mas acho interessante fazê-la. E pensar sobre ela. É claro – e é bom dizer logo no começo – que é importante, significativo e até histórico ter, pela primeira vez, uma mulher na presidência. Como Lula gosta de dizer, “nunca antes neste país” uma mulher ocupou este lugar. Supostamente, se uma mulher é eleita para ocupar o cargo máximo de poder em um país, então qualquer mulher pode ocupar qualquer posto, o que é uma conquista, ainda que na prática não funcione exatamente assim. Mas a pergunta que tenho me feito e que trago para esta coluna é se o fato de uma mulher ocupar a presidência faz alguma diferença por ser uma mulher – e não um homem. Se há um jeito feminino de governar.

Em 1938, pouco antes do início da II Guerra Mundial, a escritora inglesa Virginia Woolf publicou um ensaio em que respondia a um advogado que havia feito a ela a seguinte pergunta: “Como nós podemos evitar a guerra?”. Virginia respondeu a ele num texto corajoso e cáustico chamado “Três guinéus”, no qual relacionou “guerra, tratamento desigual das mulheres e patriarcado”. Logo no início ela já dizia que não existia aquele “nós”. Ainda que pertencessem à mesma “classe instruída”, ele era um homem e ela era uma mulher. E as mulheres não faziam guerra. A maioria dos homens sentia “uma glória, uma necessidade e uma satisfação em lutar” que a maioria das mulheres não sentiria. O texto desagradou até mesmo seus amigos mais íntimos, assim como uma parcela das feministas. A escritora, que não viu o conflito acabar porque acabou com a própria vida antes, afirmou que a guerra tinha um gênero – e este gênero era masculino. Para Virginia, era tarefa das mulheres emancipar os homens da violência para que a paz e a liberdade pudessem ser alcançadas. Tal feito só seria possível “destruindo os atributos masculinos, a violência e a idolatria do poder”.

Quando li esse ensaio, fiquei pensando no que milhares de mulheres ao longo da história já pensaram e continuam pensando: se há um jeito feminino de fazer política. Era outra época – e outro contexto. Mas ainda que muitos – e eu mesma – possam discordar das conclusões de Virginia Woolf, a questão é atual. E mesmo o movimento feminista tem dado diferentes respostas a ela. Lembrei desse ensaio ao me perguntar, a partir da eleição da primeira presidenta do Brasil, se há características de gênero que tornam o governo de uma mulher diferente do governo de um homem.

Se procurarmos na história das democracias modernas a diferença que mulheres fizeram no governo por ser mulheres não encontraremos nada no legado de Margaret Thatcher ou Golda Meir, por exemplo. Sobre esta última, aliás, David Ben-Gurion, o primeiro chefe de governo de Israel, disse em tom de elogio: “Golda Meir é o único homem do meu gabinete”. Já Thatcher foi “a dama de ferro” dos britânicos. Mesmo olhando para nossa época, nem governantes como Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile, ou Angela Merkel, a atual chanceler da Alemanha, ou mesmo Cristina Kirchner, da Argentina, independentemente de sua competência, nos fazem supor que há “um jeito feminino de governar”. O mesmo vale para as governadoras e prefeitas do Brasil.

Há algum significado de conteúdo, para além do ineditismo, na ascensão da primeira mulher ao Planalto? Em busca de pistas para esta questão revisitei o que foi dito sobre a condição feminina de Dilma Rousseff ao longo da campanha eleitoral. Foi um percurso revelador.

Logo no lançamento oficial de sua candidatura, em junho, a própria Dilma tratou de marcar o ineditismo de uma mulher na presidência do Brasil como estratégia de marketing eleitoral. Ela disse: “Chegou a hora de uma mulher governar este país. Nós, mulheres, nascemos com o sentimento de cuidar, amparar e proteger. Somos imbatíveis na defesa da nossa família e dos nossos filhos”. Dilma, possivelmente aconselhada por Lula e por marqueteiros, anunciava ali as supostas vantagens de uma mulher para governar um país.

Primeiro, é arriscado afirmar que “cuidar, amparar e proteger” seja um sentimento inato das mulheres. Teríamos de acreditar que todas as mulheres guardam dentro de si desde a concepção o ímpeto de cuidar, amparar e proteger. E que todos os homens, por sua vez, não possuiriam este mesmo ímpeto. Em seu discurso, o “cuidar” está associado à família e aos filhos. Isso dito numa época em que uma parcela das mulheres escolhe não ter filhos e a parcela que opta por tê-los divide com o pai das crianças até mesmo a tarefa de trocar fraldas soa ultrapassado. É claro que há muitos homens que ainda acham que algumas tarefas e cuidados não lhes pertencem, mas estes são vistos cada vez mais como espécimes de um modelo arcaico.

Como Dilma defende que estes são os melhores atributos para uma governante, ela transforma o Brasil numa casa de família e nós todos em seus filhos. E Lula explicita ainda mais: “A palavra não é governar, mas cuidar”. Mais tarde Dilma dirá que vai “cuidar como uma mãe do povo brasileiro”. Logo, se acreditarmos nas palavras de Dilma, uma mulher não governa – cuida. E o melhor que uma mulher pode fazer como presidente é ser mãe.

Mais: segundo este discurso, ao governar ela transforma o público em privado – e cidadãos autônomos em crianças que precisam ser cuidadas, protegidas e eventualmente corrigidas. Em seguida, Lula esclarece que, sim, ela será mãe. Mas não de todos: apenas dos mais pobres entre nós. Dilma será a “mãe dos pobres”. Portanto, os pobres teriam, além da pobreza, o ônus de serem tratados como crianças numa relação desigual e baseada no afeto, cujas benesses viriam de seu bom comportamento nas urnas – e não cidadãos com direitos garantidos pela Constituição que legitimaram um governante com seu voto consciente por um período determinado.

Colocado dessa maneira – ainda que seja apenas discurso de marqueteiro, porque acredito e espero que Dilma seja mais inteligente que isso –, uma mulher na presidência seria não um avanço, mas uma regressão a um populismo tosco, ainda que matriarcal. A certa altura, Lula chegou a dizer que votar em Dilma era dar uma chance (à minha, à sua), à nossa mãe. E a seguinte letra foi cantarolada num jingle: “Deixo em tuas mãos o meu povo e tudo o que mais amei/ mas só deixo porque sei que vais continuar o que fiz/ o país será melhor e meu povo mais feliz/ do jeito que sonhei e sempre quis/ As mãos de uma mulher vai nos conduzir/ O meu povo ganhou uma mãe que tem um coração que vai do Oiapoque ao Chuí/ deixo em tuas mãos o meu povo”.

Depois do pai, a mãe. Depois da grande mulher atrás do grande homem evoluímos para o grande homem atrás da grande mulher. Ou seria o mito de Pigmalião aplicado à política?



Se levarmos a sério este discurso – e acho que precisamos levar porque foi também com ele que pela primeira vez uma mulher se tornou presidente do Brasil –, os principais trunfos de uma mulher na política e na administração pública seriam atributos colocados como inatos – e não conquistados com estudo, trabalho e esforço. E atributos ligados à biologia, à vocação reprodutiva da mulher. É por parir que uma mulher supostamente seria uma boa governante.

Em artigo recente, o teólogo Leonardo Boff desenvolveu a tese de que há uma ruptura entre o trabalho e o cuidado – e um predomínio do homem sobre a natureza e a mulher. Há, segundo ele, “uma urgência de feminilizar as relações” e, para isso, é preciso “reintroduzir em todos os âmbitos o cuidado”. Por ser mulher, Dilma seria, na opinião de Boff, capaz de fazer esta síntese. Acompanhe o raciocínio: “Ela poderá unir as duas dimensões do trabalho que busca racionalidade e eficácia (a dimensão masculina) e do cuidado que acolhe o mais pobre e sofrido e projeta políticas de inclusão e de recuperação da dignidade (dimensão feminina). Ela possui o caráter de uma grande e eficiente gestora (seu lado de trabalho/masculino) e ao mesmo tempo a capacidade de levar avante com enternecimento e compaixão o projeto de Lula de cuidar dos pobres e dos oprimidos (seu lado de cuidado/feminino). Ela pode realizar o ideal de Gandhi: ‘política é um gesto amoroso para com o povo’”.

Aqui, vale a pena observar quais são as qualidades atribuídas a cada gênero. Ao masculino, a racionalidade, a eficácia e o “lado trabalho”. Ao feminino, o cuidado, a ternura, a capacidade de acolhimento, a compaixão e a atitude amorosa. Se concordarmos com esta divisão de atributos correspondentes a cada gênero, Dilma Rousseff está apta a governar porque sintetiza o masculino e o feminino em seu corpo de mulher. Poderíamos pensar então que é preciso ser mais do que uma mulher para governar. É necessário ser um tipo particular de mulher, uma mulher com um homem dentro dela.

Mas vamos seguir adiante. Quando Dilma foi entrevistada no Jornal Nacional, Lula achou que o apresentador William Bonner foi duro demais. Ao reclamar, o argumento que usou foi: “Eu, que conheço debates há muitos anos, esperava que pelo fato de você ser mulher e ser candidata, o entrevistador tivesse um pouco mais de gentileza". Deu a Dilma uma rosa por ter mantido “a calma e a tranquilidade” durante a entrevista. Se acreditarmos neste discurso, teríamos de ficar preocupados com as futuras e inevitáveis negociações duras que nossa presidenta terá de enfrentar dentro e fora do país. E sugerir que os chefes de Estado levem rosas nas negociações com as governantes do mundo.

O mais curioso é que Dilma era conhecida como uma administradora dura. As palavras usadas para descrevê-la eram “truculenta”, “autoritária”, “mandona”, “forte”, pouco afeita a conciliações. Sua voz grossa ajudava a compor esta imagem. Para os preconceituosos – e isso ficou explícito nos ataques na internet –, ela seria uma “mulher masculinizada”. Escutei estarrecida, mais de uma vez, mulheres comentarem que Dilma não as representaria porque não era, “como poderiam dizer, uma mulher-mulher”.

Ao começar a ser esculpida como candidata, Dilma passou por uma espécie de “feminilização”, tomando por modelo uma ideia de mulher mais compatível com o tempo de nossas avós. Submeteu-se a cirurgias plásticas e tratamentos estéticos, mudou o cabelo, trocou o guarda-roupa, modulou a voz. Tudo no sentido de transformá-la numa mulher mais “feminina”, numa candidata mais suave e palatável, em alguém que o povo pudesse identificar com uma maternidade tradicional. Submeteu-se a uma metamorfose difícil – precisava se fragilizar para se adequar a uma ideia muito específica de feminino e se manter forte para convencer como futura governante. Ao submeter-se a isso acredito que Dilma Rousseff fez um desserviço às mulheres deste país. Por que Dilma não poderia ser uma mulher como Dilma efetivamente é? Por que Dilma precisou ser outra para convencer como mulher?

Vale a pena voltar a Virginia Woolf e a quase um século atrás. Numa conferência que a escritora fez em 1931, para as mulheres reunidas no Congresso da National Society Women’s Service, em Londres, ela defendeu o “matricídio”. Simbólico, obviamente. Para se tornar escritora e uma mulher com expressão pública, ela confessa que precisou “matar” a sua mãe, o modelo de uma mulher que era só bondade, generosidade, compreensão, doçura e beleza, que se dedicava de corpo e alma aos outros, confortava, pacificava, se sacrificava. Como diz uma de suas biógrafas, Nadia Fusini, precisou matar a imagem que é a base da hagiografia feminina vitoriana, o “anjo do lar”.

Nesta campanha, o que assistimos – alguns de nós bem espantados – foi exatamente a volta do “anjo do lar”, mas aplicada à política e transferida ao espaço público, o que é bem curioso. Esta imagem do feminino, aliada a atributos identificados como masculinos, como “racionalidade, eficácia e um lado trabalho”, supostamente tornavam Dilma Rousseff uma candidata qualificada e a tornariam uma boa presidente para o Brasil. E aqui não estou analisando em que medida esta embalagem funcionou ou não – apenas apontando as escolhas que foram feitas para definir o feminino e suas vantagens na política e na governança.

Chocadas com o slogan “Pátria livre, Pátria Mãe”, algumas feministas ligadas ao PT lembraram que não bastava ser mulher, era preciso se comprometer com uma agenda de políticas públicas relacionadas às mulheres. É discutível, como tudo. Mas se acreditarmos que esta é uma diferença significativa entre o governo de um homem e de uma mulher, Dilma recuou de sua posição sobre o aborto na primeira ameaça de perder votos de parte dos evangélicos e dos católicos. Não hesitou em assinar uma carta comprometendo-se a não alterar a legislação do aborto nem “promover nenhuma iniciativa que afronte a família”. A descriminalização do aborto tem sido uma luta histórica das feministas brasileiras.

Completado o percurso, não há nada que nos esclareça se faz alguma diferença ter uma mulher – por ser mulher – na presidência do Brasil. O tratamento estapafúrdio do feminino – e o que Lula e os marqueteiros fizeram da mulher que é Dilma Rousseff, assim como o que ela deixou fazer consigo mesma – só nos revelam que foi uma campanha de baixo nível – em todos os sentidos. Resta-nos torcer que a indigência dos argumentos sobre o feminino seja apenas obra de marqueteiros, não crença real de quem tem a tarefa de comandar o país. Em certo momento, juro, temi topar com algum slogan do tipo “Serra é de Marte, Dilma é de Vênus”. Por sorte, acabou. E agora, talvez, possamos descobrir quem é esta mulher chamada Dilma Rousseff.

Tomara que a gente goste.

você só descobre que se deu mal quando mensagens e convites param de chegar ao celular

lI ESTA POSTAGEM DO IVAN mARTINS HOJE E NÃO RESISTI. BATEU FEITO FLECHA.... Queira ou não, gente solteira vive em processo seletivo...