segunda-feira, outubro 31, 2011

 
O Halloween foi levado para os Estados Unidos em 1840, por imigrantes irlandeses que fugiam da fome pela qual seu país passava e ainda é tratado como o Dia das Bruxas. A brincadeira de “doces ou travessuras” é originária de um costume europeu do século IX, chamado de “souling” (almejar). Quem ainda não sabe, o Halloween é como se fosse uma celebração realizada no dia 31 de outubro, data criada por pessoas pagãs que diziam que essa era a data do nascimento do satanás, ou seja, pessoas que, ao contrário de muitos, religiosos, tem seus atos e pensamentos diferentes, nos quais só eles sabem como funciona, após ter uma base sobre isto, passaram a realizar festividades, realizando cultos aos mortos, como um gesto de comemoração ao dia das bruxas, um dia em que muitos outros não acreditam, enfim, cada pessoa tem a sua opinião referente a isso.
Há muitas histórias sobre esta época, uns dizem que é o pior mês do ano, pessoas cabreiras com qualquer que seja a situação, acham que os dia das bruxas, é o pior momento para sair de casa, enquanto os pagãos, não se incomodam e vivem como todos nós, tendo costumes um pouco diferentes de cada um é claro.

domingo, outubro 30, 2011

O que uma escritora Holandesa falou do Brasil!

Leia com atenção.

Os brasileiro
s acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado.

Só existe uma companhia telefônica e pasmem!: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo - ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal - e tem fila na porta.

Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de ‘Como conquistar o Cliente’.

Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos..

Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa. Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc… Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

Os dados são da Antropos Consulting:

1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.

2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.

3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.

4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em todas as regiões do Brasil, com resultados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando em xeque a credibilidade do processo.

5.. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.

6. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.

7. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.

8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.

9.Telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas..

10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.

11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?

2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?

3. Que suas agências de publicidade ganham os melhores e maiores prêmios mundiais?

4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?

5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?

6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?

7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem?

Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando.

É! O Brasil é um país abençoado de fato.

Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos.

Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques.

Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente.

Bendita seja, querida pátria chamada

Brasil!

Galera reunida na empresa após o Almaviva folia

domingo, outubro 23, 2011

Chill out

A lounge music foi criada na década de 50, caracterizando então as canções executadas em ambientes destinados a tranquilizar a mente e o corpo, especialmente em bares finos, normalmente localizados em hotéis luxuosos. Ela passou a ser tocada também nos conhecidos Chill Out, pontos das raves e festivais nos quais as pessoas podiam dar uma trégua ao bombardeio musical do cérebro, cultivando um som mais calmo.
A expressão ‘lounge’ pode ser traduzida como lugar, enquanto lounge music teria o significado de música de sala de estar. Ela atua como uma sonoridade de fundo, que permite às pessoas interagirem sem serem perturbadas pelo som ambiente. Igualmente conhecida como Ambient music e Chill Out, ela é normalmente dividida em Downtempo, Break Beat, Trip Hop, Jazz e Bossa Nova.
Depois de ser exaustivamente cultivada na Europa, ela desembarcou no Brasil. Aqui a lounge music vem ganhando um destaque crescente em meio aos produtores brasileiros e no circuito das gravadoras, entre elas a Azul Music, a Universal e a Studio K7, conquistando um patamar significativo na esfera do ritmo eletrônico.
Buddha LoungeEntre os trabalhos nacionais e do âmbito internacional destacam-se Sounds from the Verve Hi-FiThievery Corporation -, DJ KicksKruder & Dorfmeister -, Eletrobossa -Edson X -e coletâneas como Buddha Lounge, que na verdade são reinterpretações da lounge music original, as quais surgiram na década de 90. Antes deste sincretismo musical este estilo chegou a ser popularmente designado de música de elevador, em parte por conta das gravações do compositor Burt Bacharach.
Embora tenha se tornado, em dado momento, uma sonoridade direcionada exclusivamente para as altas classes, logo ela voltou a se massificar e hoje é vista como algo mais do que um som composto para preencher um ambiente. Isto graças a sua mixação com o funk, o jazz e a bossa nova, concretizada por Djs e produtores do circuito musical contemporâneo.
Divas do jazz, como Billie Holiday e Nina Simone, além de compositores do porte de Tom Jobim e Astrud Gilberto, estão renascendo à luz de inovadoras versões de seus grandes hits. Todo esse trabalho é realizado com um alto nível qualitativo e boas doses de requinte, conquistando até mesmo a atenção de críticos e músicos mais difíceis de satisfazer.
Junto à percussão eletrônica são utilizados instrumentos de natureza acústica, entre eles baixo acústico, instrumentos de sopro, violão, percussão. No circuito nacional vêm aparecendo produções como as de Edson X, que criou o selo Batida Sossegada, com o objetivo de disseminar novos artistas. A primeira coletânea aí nascida conta com a participação de Djs como Pedra Branca, Chill Out Company , Black Tie Projekt, entre outros.
Outro caminho seguido pela lounge music segue a marcante inspiração da música produzida no Mediterrâneo. Este estilo pode ser observado nas gravações de músicos como Jose Padilla, La Roca e Ekova.

quinta-feira, outubro 20, 2011

ELE anda cansado das baladas e dos casos furtivos sem senti...mentos. Aprendeu a gostar da própria companhia, sem precisar estar em uma turma de amigos todos os sábados. Decidiu que quer um amor verdadeiro… que pode nem ser eterno, mas que traga um sabor doce às suas manhãs, que seja a melhor companhia para olhar a lua. Que ele possa exibir os seus dons na cozinha e o seu conhecimento em vinhos, só para ela.
Quer uma mulher que ele reconheça pelo cheiro dos cabelos, pelo toque dos dedos, pela gargalhada que vai ecoar pela casa transformando um domingo sem graça, no melhor dia da semana. Quer viver uma paixão tranqüila e turbulenta de desejos… quer ter para quem voltar depois de estar com os amigos, sem precisar ficar “caçando” companhias vazias e encontros efêmeros. Quer deitar no tapete da sala e ficar observando enquanto ela, de short jeans, camiseta e um rabo de cavalo, lê um livro no sofá, quer deitar na cama desejando que ela saia do banho com uma lingerie de tirar o fôlego.
Quer brincar de guerra de travesseiros, até que o perdedor vá até a cozinha pegar água. Quer o poder que nenhum dos seus super heróis da infância tiveram… o poder de amar sem medo, sem perigo e sem ir embora no dia seguinte.
Quer provar que pode fazer essa mulher feliz!

ELA quase deixou de acreditar que seria possível ter vontade de se envolver novamente. Foram tantas dores, finais, recomeços e frustrações que pensou em seguir sozinha para não mais se machucar. Então percebeu que a vida de solteira já não está fazendo tanto sentido. Decidiu que quer um amor verdadeiro… que pode nem ser eterno, mas que possa acordá-la com um abraço que fará o seu dia feliz, quer um homem que ela possa cuidar e amar sem receios de que está sendo enganada. Quer a alegria dos finais de semana juntinhos, as expectativas dos planos construídos, o grito de “gol” estremecendo a casa quando o time dele estiver ganhando… a cumplicidade em dividir os segredos.
Quer observá-lo sem camisa, lendo o jornal na varanda… quer reclamar da bagunça no banheiro, rindo e gritando quando ele revidar puxando-a para o chuveiro, completamente vestida.
Quer a certeza de abrir a porta de casa e saber que mesmo ele não estando, chegará a qualquer momento trazendo o brigadeiro da doceria que ela gosta tanto. Quer beijar, cheirar, morder, beliscar e apertar para ter certeza que a felicidade está ali mesmo… materializada nele.
Quer provar que pode fazer esse homem feliz!

ELES estão por aí… sonhando um com o outro… talvez ainda nem se conheçam… mas é só uma questão de tempo, até o destino unir essas vidas que se complementam e estão ávidas para amar e fazer o outro feliz.

terça-feira, outubro 18, 2011

"És presença. E, mesmo quando és ausência, és muito mais do que saudade. És vontade de ver de novo, de ver mais, de ver mais de perto, ver melhor. E tocar, de modo que, cada toque, eu tenha um pouco mais de ti em mim, para que não haja mais ausência. Te encontrar virou apenas uma questão de fechar os olhos. Tenho confundido ‘eu’ com ‘nós’. Mas essa confusão só me acontece porque eu tenho certeza de tudo que eu sinto. E o que eu sinto é o tal do amor. Aquele surrado, mal-falado, desacreditado e raro amor, que eu achava que não existia mais. Pois existe. E arrebata, atropela, derruba, o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto."

sexta-feira, outubro 14, 2011


As estampas superrealistas são da marca The Mountain,
que conseguiu um efeito 3D incrível com os animais,
dando a  impressão de que os bichos estão saltando da malha. Confiram, abaixo, o resultado.


quarta-feira, outubro 12, 2011

O mundo sem Steve Jobs



Não se pode dizer que a morte de Steve Jobs tenha gerado uma comoção inesperada, pois, em vida, o fundador da Apple já era tratado como um guru, um ícone, um mito. As homenagens religiosas via tecnologia concentradas na porta de sua casa, em Palo Alto (Califórnia), ou nas lojas da Apple, espalhadas pelo globo, dão a dimensão da perda, bem como as declarações de personalidades mundiais, muitas das quais compararam Jobs a ninguém menos que Leonardo Da Vinci e Thomas Edison. Para entender o fenômeno, recorremos a especialistas – da psicologia à economia, passando por cinema, design e até pela tecnologia, até porque quase tudo já foi dito sobre ele. Eles se rendem à excelência, à criatividade e ao carisma de Jobs, um homem que definitivamente se envolveu na humanidade. Vejam abaixo, cada profissional, em sua área o que achavam do Jobs.




Steve Jobs, um homem paradoxal
Steven Paul Jobs era um homem pacato. Budista, seguia desde muito jovem a linha zen. Era também um homem agressivo, capaz de demissões sumárias por motivos fúteis. Fez muita gente chorar por broncas duras. Foi um pai amoroso quase toda a vida mas se recusou a reconhecer a primeira filha em seus primeiros anos. Foi um homem ímpar, paradoxal, que marcou profundamente o mundo. Foi na pequena Palo Alto, Norte da Califórnia, que ele morou na última década e meia. É uma cidade de milionários onde vivem os fundadores de Google, Facebook e tantas outras empresas de alta tecnologia. Mas a casa de Jobs não parece com a de um milionário. Exposta à beira da rua, com um murinho baixo de tijolos vermelhos, janelas redondas, só parcialmente escondida por um jardim meio selvagem, onde plantou árvores, arbustos, cenouras e ervas para chá. Era vegetariano mas comia peixe cru. 


Steve Jobs revolucionou seis indústrias
O jornalista Walter Isaacson, autor da primeira biografia oficial de Steve Jobs – que será lançada no dia 24 de outubro (inclusive no Brasil) – escreveu um texto sobre sua relação com o fundador da Apple, morto na quarta-feira da semana passada. O texto foi originalmente publicado, em português, no blog da Companhia das Letras e estará na próxima edição da revista Time. Leia abaixo o texto na íntegra: A saga de Steve Jobs é o mito de criação da revolução digital em grande escala: o início de um negócio na garagem de seus pais e sua transformação na empresa mais valiosa do mundo. Embora não tenha inventado muitas coisas de cabo a rabo, Jobs era um mestre em combinar ideias, arte e tecnologia de uma maneira que por várias vezes inventou o futuro. Ele projetou o Mac depois de apreciar o poder das interfaces gráficas de uma forma que a Xerox não foi capaz de fazer, e criou o iPod depois de compreender a alegria de ter mil músicas em seu bolso de uma forma que a Sony, que tinha todos os ativos e a herança, jamais conseguiu fazer. Alguns líderes promovem inovações porque têm uma boa visão de conjunto. Outros o fazem dominando os detalhes. Jobs fez ambas as coisas, incansavelmente. 


A melhor coisa do mundo ou uma droga
Essa intensidade estimulou uma visão binária do mundo. Os colegas se referiam à dicotomia herói/cabeça de bagre; você era um ou o outro, às vezes no mesmo dia. O mesmo valia para produtos, ideias, até para a comida: As coisas ou eram “a melhor coisa do mundo” ou uma droga. Era capaz de provar dois abacates, indistinguíveis para os mortais comuns, e declarar que um deles era o melhor já colhido e o outro, intragável. Julgava-se um artista, o que incutiu nele a paixão por design. No início da década de 1980, quando estava construindo o primeiro Macintosh, não parava de exigir que o projeto fosse mais “amigável”, um conceito estranho aos engenheiros de hardware da época. Sua solução foi fazer o Mac evocar um rosto humano, e chegou a manter a faixa acima da tela fina para que não fosse uma cara de Neanderthal.

Se um cão fosse seu professor

Você aprenderia coisas assim:
Quando alguém que você ama chega em casa, corra ao seu encontro.
Nunca perca uma oportunidade de ir passear de carro.
Permita-se experimentar o ar fresco do vento no seu rosto.
Mostre aos outros que estão invadindo o seu território.
Tire uma sonequinha no meio do dia e espreguice antes de levantar.
Corra, pule e brinque todos os dias.
Tente se dar bem com o próximo e deixe as pessoas te tocarem.
Não morda quando um simples rosnado resolve a situação.

Em dias quentes, pare e role na grama, beba bastante líquidos e deite debaixo da sombra de uma árvore.
Quando você estiver feliz, dance e balance todo o seu corpo.
Não importa quantas vezes o outro te magoa, não se sinta culpado...volte e faça as pazes novamente.
Aproveite o prazer de uma longa caminhada.
Se alimente com gosto e entusiasmo.
Coma só o suficiente.
Seja leal.
Nunca pretenda ser o que você não é.
Se você quer se deitar embaixo da terra, cave fundo até conseguir.
E o MAIS importante de tudo...
Quando alguém estiver nervoso ou triste, fique em silêncio, fique por perto e mostre que você está ali para confortar.

A amizade verdadeira não aceita imitações!!!

E NÓS PRECISAMOS APRENDER ISTO COM UM
ANIMAL QUE, DIZEM, É IRRACIONAL...

terça-feira, outubro 04, 2011

Amizade colorida




Chegou aos cinemas nesta sexta-feira, 30 de setembro, o filme "Amizade Colorida", estrelado porJustin Timberlake e Mila Kunis. No longa, Dylan e Jamie - personagens vividos pelo casal de atores - decidem que são amigos o suficiente para poderem fazer sexo de vez em quando, acreditando que o"upgrade" na amizade vai ser algo simples. A partir daí surgem as complicações comuns a um relacionamento destes, com a lente de aumento que só Hollywood pode colocar.
O filme levanta uma questão que é relativamentecomum no mundo real. "A amizade colorida não é uma coisa nova. Ela já foi 'moda' nos anos 1980", explica a psiquiatra e sexóloga Rita Jardim. "Não é um comportamento de jovens ou de velhos, mas é um tipo de relação que pode acontecer numa fase da vida em que não estamos preparados para um relacionamento com compromissos mais constantes", afirma ela.
Quem prefere as amizades coloridas a um relacionamento monogâmico e fixo, está bem certo do que quer. "Você sempre acaba conhecendo algumas pessoas com quem gosta de ficar, de bater papo, mas com quem não rola aquela química mais forte, com quem valha a pena investir num relacionamento sério", declara Marcela Teixeira, relações públicas carioca de 31 anos.
Para a psiquatra, o principal cuidado que quem prefere ter amizades coloridas deve ter é não se iludir. "Deve-se ter cuidado para não criar sozinho aexpectativa que esse tipo de relacionamento possa 'virar' um compromisso mais sério", explica ela. E a regra parece que vale na prática. Pedro Diniz, produtor de 23 anos, diz que nunca se envolveu exclusivamente com nenhuma de suas "amigas". "Vale a dica, evite ao máximo!", brinca ele.
Mas para Rita, a "fuga" é do compromisso em si, e não do "amigo". "As pessoas que dizem evitar se relacionar profundamente com o amigo colorido normalmente fogem porque têm medo de relacionamento como um todo", explica ela. Para Pedro, a coisa funciona de forma mais natural. "Ter uma amizade colorida é dar preferência ao momento, e não ao rótulo", afirma ele, referindo-se ao "status" de compromisso sério. E o produtor ainda dá uma aula de como administrar mais de uma "amizade" ao mesmo tempo.
"É normal que exista algum nível de ciúmes de ambos os lados. Portanto, para evitar confusões, você tem que se planejar com o mínimo de cautela. Sair para algum lugar onde vão estar duas ou mais das suas 'amigas' é problema certo", ensina ele. Para Marcela, essa dica é fácil de colocar na prática. "Os 'amigos coloridos' não são pessoas com quem eu saio direto", explica ela.
Mas como todo mundo, há um momento de "sossegar" e assumir um compromisso com alguém. E é nesse momento que os amigos coloridos saem de cena. "Nesses momentos o amigo colorido fica lá no canto dele, e por eu ser sempre muito transparente, meus namorados nunca foram de desconfiar de mim", conta Marcela. "Quando você decide parar um tempo com alguém, você também está abrindo mão das suas amizades coloridas", diz Pedro.
E colocar um ponto final em uma amizade dessas pode ser um pouco complicado, como em qualquer relacionamento, mas não é impossível. Para o produtor, a conversa é sempre a melhor maneira deresolver as coisas. "Não vale a pena sacrificar todo o tempo divertido que vocês passaram com brigas e discussões", declara ele.
Marcela afirma que é possível continuar a amizade, sem o "colorido" extra. "Como é uma relação sem cobranças e, no geral, sem expectativas, você não vai correr o risco de magoar o outro", atesta. Mas a psiquiatra afirma que a fase de "amizade colorida" é passageira, para todos. "O ser humano é um ser sociável e precisa de relacionamento", explica ela.

você só descobre que se deu mal quando mensagens e convites param de chegar ao celular

lI ESTA POSTAGEM DO IVAN mARTINS HOJE E NÃO RESISTI. BATEU FEITO FLECHA.... Queira ou não, gente solteira vive em processo seletivo...