quinta-feira, abril 26, 2012


Transparência Sempre
Por Ricardo Pinto da Silva
Transparência é uma das chaves para o sucesso, o que garante credibilidade até em situações adversas. Para fazer um trabalho com perfeição não é preciso permissão, e sim determinação. Estar atento para facilitar a solução de problemas, colaborar e motivar seus colegas, ter iniciativas positivas, ser transparente, tudo isso melhora o ambiente de trabalho e gera confiança nas pessoas. Fazer somente o que esperam de você, ou somente esperar que alguém mande que você faça algo, pode ser perigoso para a sua vida profissional. Quando você não é uma “peça” importante na sua empresa, ou para o seu cliente, você é facilmente descartado. Não ter iniciativa é não querer assumir responsabilidades.
Antecipe-se, faça mais do que esperam de você. Cada um é responsável diretamente pelo seu trabalho e também pelo trabalho de seu grupo e de sua empresa. A capacidade de aprender, ensinar, interagir em prol da sua empresa, do seu cliente, de você mesmo, faz de você um profissional importante para o grupo. A motivação tem de surgir de dentro para fora nas pessoas; não espere que alguém o motive, você tem de se automotivar. Errar é humano e natural, todos erram. Com os nossos erros também aprendemos boas lições, isso faz parte do desenvolvimento profissional. Só erra quem busca acertar, quem não erra é porque nunca tentou acertar. Pessoas que não assumem riscos passam despercebidas pelo mercado, não fazem a menor diferença como competidores.
Não existe uma fórmula ou uma forma correta para atingir o sucesso, todos os dias temos de nos desenvolver e crescer profissionalmente. Existem várias formas de realizar um trabalho com excelência, as coisas não precisam ser feitas simplesmente como sempre foram; tudo na vida pode ser aprimorado, basta ter prazer em fazer e dedicar-se a isso. E nunca  se esqueça de ter total transparência em tudo o que fizer, seja o que for. É preciso sair da zona de conforto, assumir desafios com responsabilidade e visão de futuro.
E esteja atento, não se deixe contaminar por pessoas negativas, pessimistas, que sempre tem uma historia trágica para contar, que só falam de doenças, que só sabem comentar o que assistiram naqueles canais de televisão que apresentam jornais sensacionalistas. Não gaste energia boa com esse tipo de gente, fuja deles. Fale sempre sobre coisas boas, positivas, tenha a mente aberta. A lei da mente é implacável, o que você pensa, você cria; o que você sente, você atrai; e o que você acredita torna-se realidade. As oportunidades aparecem para todos, muitos nunca as percebem, outros as deixam escapar e poucos as agarram e as transformam em realizações de sucesso.
  

quarta-feira, abril 25, 2012


Onde você guarda seus olhos?

Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca".
Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura.
"Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões _é uma alegria! Entretanto, faz uns dias, eu fui para a cozinha para fazer aquilo que já fizera centenas de vezes: cortar cebolas. Ato banal sem surpresas. Mas, cortada a cebola, eu olhei para ela e tive um susto. Percebi que nunca havia visto uma cebola. Aqueles anéis perfeitamente ajustados, a luz se refletindo neles...Tive a impressão de estar vendo a rosácea de um vitral da catedral gótica."
Ela se calou, esperando o meu diagnóstico.

Eu me levantei, fui à estante de livros e de lá retirei as "Odes Elementales", de Pablo Neruda. Procurei a "Ode à Cebola" e lhe disse:
"Essa perturbação ocular que a acometeu é comum entre os poetas. Veja o que Neruda disse de uma cebola igual àquela que lhe causou assombro: 'Rosa de água com escamas de cristal'. Não, você não está louca. Você ganhou olhos de poeta... Os poetas ensinam a ver".
Ver é muito complicado.
Isso é estranho porque os olhos, de todos os órgãos dos sentidos, são os de mais fácil compreensão científica. A sua física é idêntica à física óptica de uma máquina fotográfica: o objeto do lado de fora aparece refletido do lado de dentro. Mas existe algo na visão que não pertence à física.
William Blake sabia disso e afirmou:
"A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê".
Sei disso por experiência própria. Quando vejo os ipês floridos, sinto-me como Moisés diante da sarça ardente: ali está uma epifania do sagrado. Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frente de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura. Seus olhos não viam a beleza. Só viam o lixo.
Adélia Prado disse: "Deus de vez em quando me tira a poesia. Olho para uma pedra e vejo uma pedra".

Drummond viu uma pedra e não viu uma pedra. A pedra que ele viu virou poema.
Há muitas pessoas de visão perfeita que nada vêem. "Não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. Não basta abrir a janela para ver os campos e os rios", escreveu Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa.


O ato de ver não é coisa natural. Precisa ser aprendido.
Nietzsche sabia disso e afirmou que a primeira tarefa da educação é ensinar a ver.
O zen-budismo concorda, e toda a sua espiritualidade é uma busca da experiência chamada "satori", a abertura do "terceiro olho".
Não sei se Cummings se inspirava no zen-budismo, mas o fato é que escreveu: "Agora os ouvidos dos meus ouvidos acordaram e agora os olhos dos meus olhos se abriram".
Há um poema no Novo Testamento que relata a caminhada de dois discípulos na companhia de Jesus ressuscitado. Mas eles não o reconheciam. Reconheceram-no subitamente: ao partir do pão, "seus olhos se abriram".
Vinícius de Moraes adota o mesmo mote em "Operário em Construção": "De forma que, certo dia, à mesa ao cortar o pão, o operário foi tomado de uma súbita emoção, ao constatar assombrado que tudo naquela mesa _garrafa, prato, facão_ era ele quem fazia. Ele, um humilde operário, um operário em construção".
A diferença se encontra no lugar onde os olhos são guardados. Se os olhos estão na caixa de ferramentas, eles são apenas ferramentas que usamos por sua função prática. Com eles vemos objetos, sinais luminosos, nomes de ruas _e ajustamos a nossa ação. O ver se subordina ao fazer. Isso é necessário. Mas é muito pobre. Os olhos não gozam...
Mas, quando os olhos estão na caixa dos brinquedos, eles se transformam em órgãos de prazer: brincam com o que vêem, olham pelo prazer de olhar, querem fazer amor com o mundo.
Os olhos que moram na caixa de ferramentas são os olhos dos adultos. Os olhos que moram na caixa dos brinquedos, das crianças. Para ter olhos brincalhões, é preciso ter as crianças por nossas mestras.
Alberto Caeiro disse haver aprendido a arte de ver com um menininho, Jesus Cristo fugido do céu, tornado outra vez criança, eternamente: "A mim, ensinou-me tudo. Ensinou-me a olhar para as coisas. Aponta-me todas as coisas que há nas flores. Mostra-me como as pedras são engraçadas quando a gente as têm na mão e olha devagar para elas".
Por isso _porque eu acho que a primeira função da educação é ensinar a ver_ eu gostaria de sugerir que se criasse um novo tipo de professor, um professor que nada teria a ensinar, mas que se dedicaria a apontar os assombros que crescem nos desvãos da banalidade cotidiana. Como o Jesus menino do poema de Caeiro. Sua missão seria partejar "olhos vagabundos"...
Numa cirurgia, cinco cirurgiões discutiam sobre
     quais os melhores pacientes numa sala de operações.

     Dizia o primeiro:

     - Gosto de operar contabilistas porque, quando se abrem, todos
os órgãos estão numerados e ordenados.

     O segundo retorquiu:

     - Sim, mas melhor são os electricistas porque todos os órgãos
estão codificados por cores. Não há qualquer risco de engano.

     Ao que respondeu o terceiro:

     - Que nada!!! Os melhores são os bibliotecários. Dentro deles
tudo está ordenado alfabeticamente.

     O quarto cirurgião opinou:

     -  Não há como os mecânicos. Eles até já transportam uma
reserva dos órgãos que são necessários substituir.

     Finalmente, disse o quinto:

     - Deixem-me discordar de todos vocês, meus caros companheiros
mas, em minha opinião, os melhores pacientes para operar são os
políticos. Não têm coração, não têm estômago nem rins...Além disso
podemos trocar o cérebro pelo cú que não faz a mínima diferença.
Para você Gabriel, minha pessoa errada tão amada



A pessoa errada – Luis Fernando Veríssimo

Pensando bem, em tudo o que a gente vê, e vivencia, e ouve e pensa, não existe uma pessoa certa pra gente.
Existe uma pessoa que, se você for parar pra pensar é, na verdade, a pessoa errada.

Porque a pessoa certa faz tudo certinho. Chega na hora certa, Fala as coisas certas, Faz as coisas certas, Mas nem sempre a gente está precisando das coisas certas. Aí é a hora de procurar a pessoa errada.

A pessoa errada te faz perder a cabeça
Fazer loucuras
Perder a hora
Morrer de amor
A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar
Que é pra na hora que vocês se encontrarem
A entrega ser muito mais verdadeira

A pessoa errada é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa.
Essa pessoa vai te fazer chorar
Mas uma hora depois vai estar enxugando suas lágrimas
Essa pessoa vai tirar seu sono
Mas vai te dar em troca uma noite de amor inesquecível
Essa pessoa talvez te magoe
E depois te enche de mimos pedindo seu perdão
Essa pessoa pode não estar 100% do tempo ao seu lado
Mas vai estar 100% da vida dela esperando você
Vai estar o tempo todo pensando em você.

A pessoa errada tem que aparecer pra todo mundo
Porque a vida não é certa
Nada aqui é certo
O que é certo mesmo, é que temos que viver cada momento, cada segundo
Amando, sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo, querendo, conseguindo.
E só assim é possível chegar àquele momento do dia
Em que a gente diz: “Graças à Deus deu tudo certo”
Quando na verdade
Tudo o que Ele quer
É que a gente encontre a pessoa errada.

Pra que as coisas comecem a realmente funcionar direito pra gente…
Nossa missão: Compreender o universo de cada ser humano, respeitar as diferenças, brindar as descobertas, buscar a evolução.

Escrito por "Catón", jornalista mexicano 
MEDINDO AS RIQUEZAS DO SER HUMANO!!!



cid:1.2541443288@web30001.mail.mud.yahoo.com 


Fabuloso texto escrito por Catón, jornalista mexicano.
 
“Tenho a intenção de processar a revista "Fortune", porque fui vítima de uma omissão inexplicável.
Ela publicou uma lista dos homens mais ricos do mundo, e nesta lista eu não apareço. Aparecem: o sultão de Brunei, os herdeiros de Sam Walton e Mori Takichiro. 
Incluem personalidades como a rainha Elizabeth da Inglaterra, Niarkos Stavros, e os mexicanos Carlos Slim e Emilio Azcarraga.
Mas eu não sou mencionado na revista.
E eu sou um homem rico, imensamente rico. Como não?  Vou mostrar a vocês:
Eu tenho vida , que eu recebi não sei porquê, e saúde, que conservo  não sei como.
Eu tenho uma família adorável, netos com os quais pratico uma nova e boa paternidade.
Eu tenho irmãos que são como meus amigos, e amigos que são como meus irmãos.
Tenho pessoas que sinceramente me amam, apesar dos meus defeitos, e a quem amo apesar dos meus defeitos.
Tenho quatro leitores a cada dia para agradecer-lhes porque eles leem o que eu mal escrevo.
Eu tenho uma casa, e nela muitos livros (minha esposa iria dizer que tenho muitos livros e entre eles uma casa).
Eu tenho um pouco do mundo na forma de um jardim, que todo ano me dá maçãs e que iria reduzir ainda mais a presença de Adão e Eva no Paraíso.
Eu tenho um cachorro que não vai dormir até que eu chegue, e que me recebe como se eu fosse o dono dos céus e da terra.
Eu tenho olhos que veem e ouvidos para ouvir, pés para andar e mãos que acariciam; cérebro que pensa coisas que já ocorreram a outros, mas que para mim não haviam ocorrido nunca.
Eu sou a herança comum dos homens: alegrias para apreciá-las e compaixão para irmanar-me aos irmãos que estão sofrendo.E eu tenho fé em Deus que vale para mim amor infinito.
Pode haver riquezas maiores do que a minha?
Por que, então, a revista "Fortune" não me colocou na lista dos homens mais ricos do planeta? "
E você, como se considera?
Rico ou pobre? 

Há pessoas pobres, mas tão pobres, que a única coisa que possuem é... DINHEIRO.

Armando Fuentes Aguirre (Catón)
Ah... é uma verdade a postagem acima.
Quando gostamos, ficamos assim, meio bobos, com medo de dizer o que realmente se sente.
Quantas vezes já me peguei, nestes tempos modernos cibernéticos, louca para receber um OI que fosse, em contra resposta a um puxar de assunto.
Como pode ser tão difícil, às vezes, sentirmos tanto medo do que sentimos pelo outro?
Confesso que tive que me calar algumas vezes nesta semana pra não dizer um sonoro EU TE AMO.
Eita medo que não sai de mim.

segunda-feira, abril 16, 2012

Como fabricar adolescente neuróticos



Heidi se apoia sobre os livros que diz "devorar"
O mundo em que vivemos já traz uma série de angústias às crianças. Na intenção de protegê-las, pais, mães e avós falam sobre sequestro e explicam o que é violência já nos primeiros anos de vida. Não bastasse terem de conviver em uma realidade suficientemente complexa, nós (adultos) sabemos como piorar suas vidas.
Heidi Hankins, de apenas 4 anos, lê livros e desenha como uma criança de 7 anos. Seu Q.I (quociente de inteligência) é de 159, apenas um ponto a menos que Albert Einstein. Seus pais, orgulhosos, a incluíram no Mensa, uma organização internacional que integra os 2% mais inteligentes da população e exigiram da escola infantil que adiante a menina em dois ou três anos.
Heidi quer mais livros para ler, desafios de matemática para resolver, mas deseja ser tratada como uma criança normal, imagino. Destacá-la do grupo, ao meu ver, é um constrangimento desnecessário, uma violência ao seu direito de ser diferente. Não é difícil imaginar que, ao lado de colegas mais velhos, será o foco das atenções – e isso não costuma ser saudável. Até que me provem o contrário, uma criança de quatro anos superdotada deve conviver com crianças da mesma idade. Por mais que ela seja desenvolvida intelectualmente, experimente colocá-la diante de uma criança de sete anos. Há diferença no tamanho, no diálogo, nos desejos, nas brincadeiras.
O que dizer de uma criança de quatro anos vestida de periguete em uma passarela, com a mãe histérica gritando ao fundo?  Na Inglaterra, a moda são os concursos de beleza baby. Mães orgulhosas vestem suas meninas com vestidos bufantes, contornam aquelas boquinhas minúsculas com batom vermelho e ainda investem em calçados de salto para pés tamanho 23. Se alguém acredita que isso pode fazer bem a uma criança, me explique como.
A gente planta agora para colher lá na frente, dizia a minha avó. E poupar a criança das nossas neuroses, daquilo que não fomos e gostaríamos que elas fossem, é o melhor que podemos fazer.

domingo, abril 15, 2012

Saudades... Clarice Lispector


Saudades

Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
eu sinto saudades...

Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...

Sinto saudades da minha infância,
do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser...

Sinto saudades do presente,
que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro...

Sinto saudades do futuro,
que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!

Daqueles que não tiveram
como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!

Sinto saudades de coisas que tive
e de outras que não tive
mas quis muito ter!

Sinto saudades de coisas
que nem sei se existiram.

Sinto saudades de coisas sérias,
de coisas hilariantes,
de casos, de experiências...

Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia
e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!

Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!

Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,

Sinto saudades das coisas que vivi
e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que...
não sei onde...
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi...

Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades
Em japonês, em russo,
em italiano, em inglês...
mas que minha saudade,
por eu ter nascido no Brasil,
só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.

Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria,
espontaneamente quando
estamos desesperados...
para contar dinheiro... fazer amor...
declarar sentimentos fortes...
seja lá em que lugar do mundo estejamos.

Eu acredito que um simples
"I miss you"
ou seja lá
como possamos traduzir saudade em outra língua,
nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.

Talvez não exprima corretamente
a imensa falta
que sentimos de coisas
ou pessoas queridas.

E é por isso que eu tenho mais saudades...
Porque encontrei uma palavra
para usar todas as vezes
em que sinto este aperto no peito,
meio nostálgico, meio gostoso,
mas que funciona melhor
do que um sinal vital
quando se quer falar de vida
e de sentimentos.

Ela é a prova inequívoca
de que somos sensíveis!
De que amamos muito
o que tivemos
e lamentamos as coisas boas
que perdemos ao longo da nossa existência...
Clarice Lispector

sábado, abril 07, 2012

Hoje já é Sábado de Aleluia.
Me lembro bem do que esta data significava quando eu era criança. Pelo menos na minha cidade natal era o dia de comemorar o término da Quaresma. Naquela época quaresma eram os 40 dias que não se podia fazer quase nada de cunho festivo. As casas de diversão ficavam fechadas, as pessoas evitavam comer carne vermelha e o jejum era uma prática válida.

Nos tempos de hoje, é só mais um sábado, ou pelo menos um único dia que antecede ao Domingo de Páscoa, dia este que é símbolo comercial para a venda de ovos de chocolates.

Enfim, mais uma citação.
Minha casa recebe hoje meus avós vindos de Lafaiete, mais uma tia meio louca. Na verdade ela é mais sem educação do que maluca. Na terça, dia 10, minha avó completa 75 anos. Hoje aqui em casa, as paredes da copa é decorada com balões de ar rosa e amarelo. Celebraremos ao aniversário da Thaila, minha sobrinha caçula de cinco anos feitos no dia 31 de março.
Para nossa surpresa, o Filipe, primo querido, também veio para a festividade.

Não tenho o que reclamar deste ano, muito menos da Semana Santa. Estou feliz, como há muito não estive. As duas últimas noites, passei com alguém especial para mim. Noites incríveis e eternamente memoráveis.

Às vezes, penso bastante em nossa relação. Gosto dele. Não penso muito no futuro, e não faço do meu presente uma brevidade. Gosto do presente com ele. Gosto do seu cheiro, beijo, carinho e personalidade. Poderia conviver sob o mesmo teto com ele por tempo indeterminado. Com ele me sinto à  vontade , a ponto de ser eu mesma: louca, verdadeira, feliz! A quem diga que somos muito parecidos, se não fosse essa diferença de idade que me incomoda em alguns momentos. Acordei com ele e já sinto saudades. vontade de ver, beijar e apenas olhar para seu olhar.

Que venha a Páscoa. Que venha o aniversário. Que venha a felicidade!


Ossos


Muito bom!!!
Michael Paulus viaja nas ilustrações e cria o suposto esqueleto de famosos personagens de desenho animado como Betty Boop, Barney, Charlie Brown e Hello Kitty:




terça-feira, abril 03, 2012

Ashton Kutcher Interpreta Steve Jobs Mostrando A História Da Apple


ator Ashton Kutcher vai interpretar Steve Jobs em uma cinebiografia sobre o cofundador da Apple, que morreu, em 2011, vitima  de câncer no pâncreas. O filme contará a história de Jobs desde a juventude como um “hippie teimoso” até os seus empreendimentos tecnológicos, de acordo com a revista de entretenimento Variety.
O longa-metragem independente “Jobs” será baseado no roteiro de Matt Whiteley e dirigido por Joshua Michael Stern (“Promessas de Um Cara de Pau”). O projeto será financiado e produzido pelo Five Star Institute e, segundo o site The Wrap, esse é o primeiro grande financiamento da empresa.
“Eu tive a ideia no dia em que Jobs se aposentou. Eu notei que vários funcionários estavam comentando sobre o assunto. Eu estava observando como foi o impacto do anúncio da sua aposentadoria no mercado e eu sabia que a história dele era o filme que eu queria fazer. Começamos a pesquisa e redação do roteiro alguns dias depois e nunca mais olhamos para trás”, disse Mark Hulme do Five Star Institute para o The Wrap.
A produção está programada para começar em maio. A ideia é que o filme seja lançado antes do outro projeto cinematográfico sobre Jobs, baseado na biografia escrita por Walter Isaacson, de 2011, que está sendo desenvolvido nos estúdios Sony Pictures.
O livro é a única publicação autorizada sobre a vida de Jobs. Lançada no Reino Unido 19 dias após a morte de Jobs, a biografia vendeu mais de 37 mil cópias em seus primeiros cinco dias e mais de 379 mil cópias em sua primeira semana de os EUA.
O volume é baseado em mais de 40 entrevistas com Jobs ao longo de dois anos e mais de 100 depoimentos de familiares, amigos, adversários, concorrentes e colegas.
Kutcher, que substituiu Charlie Sheen no seriado de televisão “Two and a Half Men”, está escalado para participar das filmagens durante o intervalo da produção da série. O ator já participou dos filmes “Efeito Borboleta”, “Jogo de Amor em Las Vegas” e “Idas e Vindas do Amor”. Agora só resta aguardar o lançamento do filme que tem tudo para lotar as filas do cinema.

“É exatamente disso que a vida é feita, de MOMENTOS. Momentos que 

TEMOS que passar, sendo bons ou ruins, 

para o nosso próprio aprendizado. Nunca esquecendo do mais 

importante: Nada nessa vida é por acaso. 




Absolutamente nada. Por isso, temos que nos preocupar em fazer a 

nossa parte, da melhor forma possível. 


A vida nem sempre segue a nossa vontade, mas ela é perfeita 


naquilo que tem que ser.”


(Chico Xavier)

segunda-feira, abril 02, 2012

Homens, não fritem seus ovos

A cena é clássica: o homem deitadão no sofá ou na cama com o notebook no colo. Enquanto checa emails do trabalho, flerta com uma gatinha no Facebook ou navega atrás de alguma pornografia, o único perigo que teme é ser pego em flagrante pela esposa. Então, caro leitor, não só você estaria frito numa situação dessas – seus ovos também! Entre 2010 e 2011, foram publicados dois estudos científicos que sugerem o seguinte: o uso do computador sobre a região do saco escrotal pode ser prejudicial para a fertilidade masculina.


Além de decretar em casa “o fim do notebook no colo do marido” (porque meus futuros filhos devem estar num verão senegalês lá dentro), fui atrás de um especialista no assunto. Quem me explicou sobre a metologia e a conclusão dessas pesquisas foi o urologista Oskar Kaufmann. No caso do trabalho desenvolvido pela Universidade Estadual de Nova York, publicado pelo conceituado periódico “Fertility and Sterility”, 29 jovens voluntários se submeteram a testes de temperatura após passarem alguns minutos com o computador na posição que comentamos acima.

O urologista Oskar Kaufmann explica que o calor pode superaquecer os testículos, a fábrica de espermas
“Entre dez e quinze minutos depois, os órgãos reprodutivos deles superaqueceram em até 2,5º acima do valor seguro para a produção de espermatozóides”, diz o médico formado pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), com pós graduação em cirurgia robótica pela Universidade da Califórnia – Irvine. “Eles podem não sobreviver ao calor ou mesmo ficarem defeituosos”. Embora a amostra seja muito pequena, é consenso na comunidade médica que o calor pode comprometer a capacidade de gerar descendentes.
Um exemplo desse fenômeno é a varicocele, a principal causa de infertilidade masculina. Nela, há um refluxo de sangue para os testículos, sem explicação clara – imagine que as veias se rebelam e não desempenham direito a sua função. Esse sangue todo esquenta demais a região e atrapalha a “fábrica de espermas”. Para reconhecer a doença, que não costuma causar dor, é reparar se as veias do saco escrotal estão dilatadas. E procurar um médico para exames mais específicos. “Na grande maioria dos casos, quando há uma alteração do espermograma, pode se reverter o quadro com uma microcirurgia”, afirma Kaufmann, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Outro estudo, realizado por cientistas argentinos, mostrou que a conexão de internet sem fio também pode ser assassina de espermatozóides. Em 2011, eles colheram quantidades de sêmen de homens saudáveis e férteis. Separaram em dois grupos: um deles ficou por quatro horas embaixo de um computador com wi-fi; o outro ficou exposto pelo mesmo tempo, mas sob um computador sem wi-fi. A conexão sem fio atrapalhou a capacidade da galera de correr (25%, em relação a 14% do outro grupo) e a perfeição genética (9% contra 3%). Kaufmann explica que seria necessário um estudo mais amplo para levar as conclusões “a ferro e fogo”. Olha, o doutor que me desculpe, mas vou manter a ordem lá em casa: fritemos ovos apenas no fogão.

você só descobre que se deu mal quando mensagens e convites param de chegar ao celular

lI ESTA POSTAGEM DO IVAN mARTINS HOJE E NÃO RESISTI. BATEU FEITO FLECHA.... Queira ou não, gente solteira vive em processo seletivo...