sexta-feira, setembro 27, 2013

SÍNDROME DE BURNOUT

A síndrome de burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, é um distúrbio psíquico descrito em 1974 por Freudenberger, um médico americano. O transtorno está registrado no Grupo V da CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).
Sua principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. A síndrome se manifesta especialmente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso.
Profissionais das áreas de educação, saúde, assistência social, recursos humanos, agentes penitenciários, bombeiros, policiais e mulheres que enfrentam dupla jornada correm risco maior de desenvolver o transtorno.
Sintomas
O sintoma típico da síndrome de burnout é a sensação de esgotamento físico e emocional que se reflete em atitudes negativas, como ausências no trabalho, agressividade, isolamento, mudanças bruscas de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, lapsos de memória, ansiedade, depressão, pessimismo, baixa autoestima.
Dor de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma, distúrbios gastrintestinais são manifestações físicas que podem estar associadas à síndrome.
Diagnóstico
O diagnóstico leva em conta o levantamento da história do paciente e seu envolvimento e realização pessoal no trabalho.
Respostas psicométricas a questionário baseado na Escala Likert também ajudam a estabelecer o diagnóstico.
Tratamento
O tratamento inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia. Atividade física regular e exercícios de relaxamento também ajudam a controlar os sintomas.
Recomendações
* Não use a falta de tempo como desculpa para não praticar exercícios físicos e não desfrutar momentos de descontração e lazer. Mudanças no estilo de vida podem ser a melhor forma de prevenir ou tratar a síndrome de burnout;
* Conscientize-se de que o consumo de álcool e de outras drogas para afastar as crises de ansiedade e depressão não é um bom remédio para resolver o problema;
* Avalie quanto as condições de trabalho estão interferindo em sua qualidade de vida e prejudicando sua saúde física e mental. Avalie também a possibilidade de propor nova dinâmica para as atividades diárias e objetivos profissionais.

Conceito de Felicidade

"A felicidade é um estado durável de plenitude, satisfação e equilíbrio físico e psíquico, em que o sofrimento e a inquietude são transformados em emoções ou sentimentos que vai desde o contentamento até a alegria intensa ou júbilo. A felicidade tem, ainda, o significado de bem-estar espiritual ou paz interior. "

Eu tive que buscar na internet este conceito de felicidade citado acima. Contudo achei o mais fácil, aquele que fica na wikipédia - nunca é confiável. Mas dessa vez traduz bem o que seja a tal felicidade.

Teste Psicológico Rorschach

Teste de Rorschach
Teste é refutado por muitos psicólogos atualmente
Poucos dispositivos no mundo da psicologia penetraram na cultura popular de forma tão forte quanto o famoso teste de manchas de tinta de Hermann Rorschach, que ainda divide psicólogos de diversos países.
Eu primeiro me deparei com o teste Rorschach de manchas de tinta quando treinava para ser um psicólogo. Eu recebi uma série de cartões contendo manchas de tinta e me perguntaram o que elas pareciam ser (Avaliador: ''O que isso se parece?'' Eu: ''Um morcego''.) Eu me lembro de pensar que aquilo mais parecia ser uma leitura de tarô do que um teste psicométrico de verdade.
Mas quando o teste foi medido e interpretado, ele produziu um resultado assustadoramente preciso da minha personalidade. Ele revelou coisas ao meu respeito que nem minha mãe sabia. Eu me tornei um fã do teste, ainda que muito cético, desde então.
Então, o que é o teste de manchas de tinta Rorschach? É simplesmente um conjunto de cartas com imagens de manchas de tinta dobradas sobre si mesmas para criar uma imagem espelhada.
O Rorschach é o que psicólogos chamam de um teste projetivo. A ideia básica é de que quando é mostrada a uma pessoa uma imagem sem sentido, como uma mancha de tinta, a sua mente irá trabalhar bastante para dar um significado a este estímulo, e tal atribuição de sentido é gerada pela mente.
Ao perguntar à pessoa o que elas veem na mancha de tinta, elas podem estar na verdade falando de si mesmas e como elas projetam um significado sobre o mundo verdadeiro.
Mas seu inventor, Hermann Rorschach, nunca tinha a intenção de criar um teste de personalidade.

Klecksografia

Quando criança, o jovem Hermann era um fã de um popular jogo chamado Klecksografia, tão popular que seu apelido era Kleck. A ideia do jogo era colecionar cartões com manchas de tinta que podiam ser comprados no comércio local. Os colecionadores podiam criar histórias a partir das manchas de tinta.
Mais tarde, Rorschach foi estudar psiquiatria e, quando estudava, em 1918, ele percebeu que pacientes diagnosticados com esquizofrenia faziam associações a partir das manchas de Klecksografia diferentes das pessoas normais. Foi então que ele desenvolveu o teste Rorschach como uma ferramenta que servisse de diagnóstico para a esquizofrenia.
Mas foi só a partir de 1939 que a ferramenta foi usada como um teste projetivo de personalidade. O próprio Rorschach era cético a respeito disso.
A polêmica em torno da confiabilidade e a validade do teste Rorschach existe desde a sua criação. Hoje, muitos psicólogos na Grã-Bretanha - provavelmente a maioria no país - acreditam que o Rorschach é uma tolice.

Paciente viu elementos de relacionamento e gravidez em seu teste de personalidade
Teste | Foto: BBC










Dúvidas e críticas

As críticas ao Rorschach se centram em três coisas: Em primeiro lugar, alguns psicólogos argumentaram que o psicólogo que aplica o teste também projeta o seu mundo subconsciente sobre as manchas de tinta ao interpretar as respostas.
Por exemplo, se a pessoa testada vê um sutiã, um psicólogo homem pode classificar isso como sendo uma resposta sexual, enquanto uma piscóloga pode classificar a resposta como algo que diz respeito somente à vestimenta.
Em segundo lugar, o teste também tem sido criticado quanto à sua validade. Em outras palavras, ele está medindo o que ele está medindo? Rorschach estava certo de que seu teste media formas desordenadas de pensar - como a que caracteriza a esquizofrenia - e isso nunca foi contestado. Mas sua abilidade para avaliar de forma precisa a personalidade humana continua sendo algo discutível.
Por fim, críticos sugeriram que o Rorschach peca pela falta de confiabilidade. Dois avaliadores, por exemplo, podem chegar a conclusões de personalidade diferentes para a mesma pessoa.
Eu também sou cético em relação ao valor científico do Rorschach, mas acredito que ele seja uma ferramenta útil para terapia e como forma de estimular a reflexão sobre o mundo interno de uma pessoa.

Samantha

Eis um exemplo de como eu usei o Rorschach: Samantha é uma advogada de 28 anos. Ela é bem casada e recentemente descobriu que está grávida. Ela e seu marido vem tentando ter um filho desde o ano passado.
Eu usei o Rorschach como parte de um programa de treinamento de liderança feito com ela. Para dar uma amostra do que é o Rorschach na prática, eis algumas de suas respostas:
''São duas pessoas encarando uma à outra. Você pode ver suas cabeças, braços e pernas separados. Há uma grande panela entre eles. Eles estão mexendo na panela, fazendo comida. A coisa no meio é como dois corações, talvez a intenção seja mostrar que eles estão apaixonados?''
"A coisa vermelha no meio parece uma borboleta. Sei que é bobagem, provavelmente porque estou grávida, mas as coisas vermelhas de cada lado se parecem com bebês recém-nascidos ainda presos aos cordões umbilicais. Quando penso nisso, as duas pessoas podem ser uma mãe e um pai carregando uma cesta como a de Moisés.''
''O vermelho no meio representa seus dois corações e também o bebê. Eles podem estar brigando pelo bebê, como em um cabo-de-guerra. Isso me lembra o trabalho, algo em que não penso há séculos. Pais se divorciando e brigando por suas crianças. Deus queira que isso não aconteça comigo.''
Samantha é uma mulher bem ajustada, confiante e bem-sucedida que está vivendo um momento particularmente feliz de sua vida. Está claro como ela projeta os temas de sua vida atual nas manchas de tinta.
Há um forte tema de parceria e apego. As duas pessoas fazendo alguma coisa ("mexendo na panela"), alude à gravidez de Samantha. Este tema foi então reforçado. ("as coisas vermelhas de cada lado se parecem com bebês recém-nascidos ainda presos aos cordões umbilicais'').
Ansiedade é a emoção que se contrapõe à dinâmica emocional de Samantha. Preocupações sobre possíveis conflitos futuros com seu parceiro foram incluídos em sua narrativa ("eles podem estar brigando pelo bebê, como em um cabo-de-guerra").

Isso é apenas uma amostra. Há muitas outras coisas no Rorschach de Samantha que abriram as portas sobre como seu mundo psicológico interno impactou a sua vida e o seu trabalho.
Muitos artistas foram influenciados pelas manchas de tinta de Rorschach, como Andy Warhol, que criou uma série de “pinturas de Rorschach" em 1984
A " mancha de tinta" foi usada em mapas promocionais do metrô de Londres e nos Estados Unidos para anunciar o seriado Dexter.
O Rorschach também inspirou filmes, incluindo os personagens Rorschach na HQ Watchmen e em clipes como Crazy, de Gnarls Barkley.

terça-feira, setembro 17, 2013

Filósofos e sociólogos respondem: por que o sapo não lava o pé?

O motivo desta incógnita desvelado por filósofos e sociólogos: por que o sapo não lava o pé?
Parmênides de Eléia Como poderia o sapo lavar os pés, ó deuses, se o movimento não existe?
Heráclito de Éfeso Quando o sapo lava o pé, nem ele nem o pé são mais os mesmos, pois ambos se modificam na lavagem, devido à impermanência das coisas.
Platão Górgias: Por Zeus, Sócrates, os sapos não lavam os seus pés porque não gostam da água!
Sócrates: Pensemos um pouco, ó Górgias. Tu assumiste, quando há pouco dialogava com Filebo, que o sapo é um ser vivo, correto?
Górgias: Sou forçado a admitir que sim.
Sócrates: Pois bem, e se o sapo é um ser vivo, deve forçosamente fazer parte de uma categoria determinada de seres vivos, posto que estes dividem-se em categorias segundo seu modo de vida e sua forma corporal; os cavalos são diferentes das hidras e estas dos falcões, e assim por diante, correto?
Górgias: Sim, tu estás novamente correto.
Sócrates: A característica dos sapos é a de ser habitante da água e da terra, pois é isso que os antigos queriam dizer quando afirmaram que este animal era anfíbio, como, aliás, Homero e Hesíodo já nos atestam. Tu pensas que seria possível um sapo viver somente no deserto, tendo ele necessidade de duas vidas por natureza,ó Górgias?
Górgias: Jamais ouvi qualquer notícia a respeito.
Sócrates: Pois isto se dá porque os sapos vivem nas lagoas, nos lagos e nas poças, vistos que são animais, pertencem e uma categoria, e esta categoria é dada segundo a característica dos sapos serem anfíbios.
Górgias: É verdade.
Sócrates: Precisando da lagoa, ó Górgias meu caro, tu achas que seria o sapo insano o suficiente para não gostar de água?
Górgias: Não, não, não, mil vezes não, Ó Sócrates!
Sócrates: Então somos forçados a concluir que o sapo não lava o pé por outro motivo, que não a repulsa à água
Górgias: De acordo Diógenes, o Cínico: Dane-se o sapo, eu só quero tomar meu sol.
Aristóteles O [sapo] lava de acordo com sua natureza! Se imitasse, estaria fazendo arte . Como [a arte] é digna somente do homem, é forçoso reconhecer que o sapo lava segundo sua natureza de sapo, passando da potência ao ato. O sapo que não lava o pé é o ser que não consegue realizar [essa] transição da potência ao ato.
Epicuro O sapo deve alcançar o prazer, que é o Bem supremo, mas sem excessos. Que lave ou não o pé, decida-se de acordo com a circunstância.
O vital é que mantenha a serenidade de espírito e fuja da dor.
Estóicos O sapo deve lavar seu pé de acordo com as estações do ano. No inverno, mantenha-o sujo, que é de acordo com a natureza. No verão, lave-o delicadamente à beira das fontes, mas sem exageros. E que pare de comer tantas moscas, a comida só serve para o sustento do corpo.
Descartes Nada distingo na lavagem do pé senão figura, movimento e extensão. O sapo é nada mais que um autômato, um mecanismo. Deve lavar seus pés para promover a autoconservação, como um relógio precisa de corda.
Maquiavel A lavagem do pé deve ser exigida sem rigor excessivo, o que poderia causar ódio ao Príncipe, mas com força tal que traga a este o respeito e o temor dos súditos. Luís da França, ao imperar na Itália, atraído pela ambição dos venezianos, mal agiu ao exigir que os sapos da Lombardia tivessem os pés cortados e os lagos tomados caso não aquiescessem à sua vontade. Como se vê, pagou integralmente o preço de tal crueldade, pois os sapos esquecem mais facilmente um pai assassinado que um pé cortado e uma lagoa confiscada.
Rousseau Os sapos nascem livres, mas em toda parte coaxam agrilhoados; são presos, é certo, pela própria ganância dos seus semelhantes, que impedem uns aos outros de lavarem os pés à beira da lagoa. Somente com a alienação de cada qual de seu ramo ou touceira de capim, e mesmo de sua própria pessoa, poder-se-á firmar um contrato justo, no qual a liberdade do estado de natureza é substituída pela liberdade civil.
Locke Em primeiro lugar, faz-se mister refutar a tese de Filmer sobre a lavagem bíblica dos pés. Se fosse assim, eu próprio seria obrigado a lavar meus pés na lagoa, o que, sustento, não é o caso. Cada súdito contrata com o Soberano para proteger sua propriedade, e entendo contido nesse ideal o conceito de liberdade. Se o sapo não quer lavar o pé, o Soberano não pode obrigá-lo, tampouco recriminá-lo pelo chulé. E ainda afirmo: caso o Soberano queira, incorrendo em erro, obrigá-lo, o sapo possuirá legítimo direito de resistência contra esta reconhecida injustiça e opressão.
Filmer Podemos ver que, desde a época de Adão, os sapos têm lavado os pés. Aliás, os seres, em geral, têm lavado os pés à beira da lagoa. Sendo o sapo um descendente do sapo ancestral, é legítimo, obrigatório e salutar que ele lave seus pés todos os dias à beira do lago ou lagoa. Caso contrário, estará incorrendo duplamente em pecado e infração.
Kant O sapo age moralmente, pois, ao deixar de lavar seu pé, nada faz além de agir segundo sua lei moral universal apriorística, que prescreve atitudes consoantes com o que o sujeito cognoscente possa querer que se torne uma ação universal.
Nota de Freud: Kant jamais lavou seus pés.
Hegel Podemos observar na lavagem do pé a manifestação da Dialética. Observando a História, constatamos uma evolução gradativa da ignorância absoluta do sapo – em relação à higiene – para uma preocupação maior em relação a esta. Ao longo da evolução do Espírito da História, vemos os sapos se aproximando cada vez mais das lagoas, cada vez mais comprando esponjas e sabões. O que falta agora é, tão somente, lavar o pé, coisa que, quando concluída, representará o fim da História e o ápice do progresso.
Marx A lavagem do pé, enquanto atividade vital do anfíbio, encontra-se profundamente alterada no panorama capitalista. O sapo, obviamente um proletário, tendo que vender sua força de trabalho para um sistema de produção baseado na detenção da propriedade privada pelas classes dominantes, gasta em atividade produtiva alienada o tempo que deveria ter para si próprio. Em conseqüência, a miséria domina os campos, e o sapo não tem acesso à própria lagoa, que em tempos imemoriais fazia parte do sistema comum de produção.
Engels: Isso mesmo.
Schopenhauer O sapo cujo pé vejo lavar é nada mais que uma representação, um fenômeno, oriundo da ilusão fundamental que é o meu princípio de razão, parte componente do principio individuationis, a que a sabedoria vedanta chamou "véu de Maya". A Vontade, que o velho e grande filósofo de Königsberg chamou de Coisa-em si, e que Platão localizava no mundo das idéias, essa força cega que está por trás de qualquer fenômeno, jamais poderá ser capturada por nós, seres individuados, através do princípio da razão, conforme já demonstrado por mim em uma série de trabalhos, entre os quais o que considero o maior livro de filosofia já escrito no passado, no presente e no futuro: "O mundo como vontade e representação".
Nietzsche Um espírito astucioso e camuflado, um gosto anfíbio pela dissimulação - herança de povos mediterrâneos, certamente -uma incisividade de espírito ainda não encontrada nas mais ermas redondezas de quaisquer lagoas do mundo dito civilizado. Um animal que, livrando-se de qualquer metafísica, e que, aprimorando seu instinto de realidade, com a dolcezza audaciosa já perdida pelo europeu moderno, nega o ato supremo, o ato cuja negação configura a mais nítida – e difícil – fronteira entre o Sapo e aquele que está por vir, o Além- do-Sapo: a lavagem do pé.
Foucault Em primeiro lugar, creio que deveríamos começar a análise do poder a partir de suas extremidades menos visíveis, a partir dos discursos médicos de saúde, por exemplo. Por que deveria o sapo lavar o pé? Se analisarmos os hábitos higiênicos e sanitários da Europa no século XII, veremos que os sapos possuíam uma menor preocupação em relação à higiene do pé – bem como de outras áreas do corpo. Somente com a preocupação burguesa em relação às disciplinas – domesticação do corpo do indivíduo, sem a qual o sistema capitalista jamais seria possível – é que surge a preocupação com a lavagem do pé. Portanto, temos o discurso da lavagem do pé como sinal sintomático da sociedade disciplinar.
Freud Um superego exacerbado pode ser a causa da falta de higiene do sapo. Quando analisava o caso de Dora, há vinte anos, pude perceber alguns dos traços deste problema. De fato, em meus numerosos estudos posteriores, pude constatar que a aversão pela limpeza, do mesmo modo que a obsessão por ela, podem constituir-se num desejo de autopunição. A causa disso encontra-se, sem dúvida, na construção do superego a partir das figuras perdidas dos pais, que antes representavam a fonte de todo conteúdo moral do girino.
Jung O mito do sapo do deserto, presente no imaginário semita, vem a calhar para a compreensão do fenômeno. O inconsciente coletivo do sapo, em outras épocas desenvolvido, guardou em sua composição mais íntima a idéia da seca, da privação, da necessidade. Por isso, mesmo quando colocado frente a uma lagoa, em época de abundância, o sapo não lava o pé.
Kierkegaard O sapo lavando o pé ou não, o que importa é a existência.
Comte O sapo deve lavar o pé, posto que a higiene é imprescindível. A lavagem do pé deve ser submetida a procedimentos científicos universal e atemporalmente válidos. Só assim poder-se-á obter um conhecimento verdadeiro a respeito.
Weber A conduta do sapo só poderá ser compreendida em termos de ação social racional orientada por valores. A crescente racionalização e o desencantamento do mundo provocaram, no pensamento ocidental, uma preocupação excessiva na orientação racional com relação a fins. Eis que, portanto, parece absurdo à maior parte das pessoas o sapo não lavar o pé. Entretanto, é fundamental que seja compreendido que, se o sapo não lava o pé, é porque tal atitude encontra-se perfeitamente coerente com seu sistema valorativo – a vida na lagoa.
Horkheimer e Adorno A cultura popular diferencia-se da cultura de massas, filha bastarda da indústria cultural. Para a primeira, a lavagem do pé é algo ritual e sazonal, inerente ao grupamento societário; para a segunda, a ação impetuosa da razão instrumental, em sua irracionalidade galopante, transforma em mercadoria e modismo a lavagem do pé, exterminando antigas tradições e obrigando os sapos a um procedimento diário de higienização.
Gramsci O sapo, e além dele, todos os sapos, só poderão lavar seus pés a partir do momento em que, devido à ação dos intelectuais orgânicos, uma consciência coletiva principiar a se desenvolver gradativamente na classe batráquia. Consciência de sua importância e função social no modo de produção da vida. Com a guerra de posições - representada pela progressiva formação, através do aparato ideológico da sociedade civil, de consensos favoráveis– serão criadas possibilidades para uma nova hegemonia, dessa vez sob a direção das classes anteriormente subordinadas.
Bobbio Existem três tipos de teoria sobre o sapo não lavar o pé. O primeiro tipo aceita a não-lavagem do pé como natural, nada existindo a reprovar nesse ato. O segundo tipo acredita que ela seja moral ou axiologicamente errada. A terceira espécie limita-se a descrever o fenômeno, procurando uma certa neutralidade.
Olavo de Carvalho O sapo não lava o pé. Não lava porque não quer. Ele mora lá na lagoa, não lava o pé porque não quer e ainda culpa o sistema, quando a culpa é da PREGUIÇA. Este tipo de atitude é que infesta o Brasil e o Mundo, um tipo de atitude oriundo de uma complexa conspiração moscovita contra a livre-iniciativa e os valores humanos da educação e da higiene!

terça-feira, setembro 10, 2013

Yayoi kusama

Yayoi Kusama – A artista fanática por pontos e bolas Sabe quem é Yayoi Kusama? Não sabe? Então te conto! É considerada uma das grandes artistas pop japonesas que tem uma história de vida incrível, cheia de altos e baixos, mas que nem de longe, ofusca sua bela arte contemporânea, conhecida como Polka Dot. Hoje, aos 82 anos, a artista continua a fazer suas artes.
Seu trabalho é uma mistura de diversas artes como, colagens, pinturas, esculturas, arte performática e instalações ambientais, onde é visível uma característica que se tornou a marca da artista: A obsessão por pontos e bolas.
Em todas as suas artes, que possuem um quê de surrealismo, modernismo e minimalismo, podemos notar o padrão de repetição e acumulação.
Transtorno Obsessivo Compulsivo transformada em arte
Além disso, Kusama também se embrenhou na arte da literatura, com romances e poesias, escritas em 13 livros. Alguns dos seus romances são considerados chocantes e surrealistas, com personagens fortes como prostitutas, cafetões, assassinos, auto retrato de si própria como Shimako, enlouquecida em Foxgloves Central Park.
Veja um pouco sobre sua vida e sua arte
De onde vem tanta criatividade? Tudo indica que é devido à esquizofrenia, que a fazia ter uma percepção e uma visão diferente da realidade em que vivia. Segundo ela mesma conta, ela sempre foi atormentada por visões distorcidas, que a faziam enxergar bolas e pontos.
Muitas de suas obras retratam abóboras, uma paixão da artista
Yayoi nasceu em 22 de março de 1929 em Matsumoto-shi (Nagano Ken) e desde a infância sofre com alucinações. Sua relação com sua mãe não era nada boa. Segundo Yayoi conta, sua mãe era uma mulher de negócios e que jamais aceitou a veia artística da filha, chegando até a agredi-la fisicamente diversas vezes por causa disso.
Isso pode ter ajudado a piorar o quadro psíquico de Yayoi, assim como gerou uma grande instabilidade emocional. Como forma de “fuga da realidade” , desabafo e também para mostrar às pessoas como era o mundo que ela enxergava, ela passou a se expressar no papel usando guache, aquarela e tinta a óleo, as bolinhas ou pontos do infinito, como ela também costuma chamar.
Como ela mesma diz: Minha arte é uma expressão da minha vida, sobretudo da minha doença mental, originário das alucinações que eu posso ver. Traduzo as alucinações e imagens obsessivas que me atormenta em esculturas e pinturas. Todos os meus trabalhos em pastel são os produtos da neurose obsessiva e, portanto, intrinsecamente ligado à minha doença. Eu crio peças, mesmo quando eu não vejo alucinações, no entanto.
Yayoi Kusama com seu estilo próprio, onde até suas roupas tem bolas
Com o tempo, passou a preencher pisos, paredes, telas, objetos e até pessoas com seus pontos. Em toda e qualquer arte de Yayoi, podemos “sentir” seu surrealismo misturadas a visões alucinatórias, porém de forma leve, alegre, colorido. Muitas pessoas que sofrem de doenças mentais como esquizofrenia e outras tantas doenças, podem possuir um talento indescritível em alguma área ou arte.
No caso de Yayoi, além das alucinações, muitas vezes suicida, ela ainda passou a ter TOC, ou seja, as bolinhas e pontos, se tornou uma verdadeira obsessão, que reflete em tudo que venha da artista, não só em sua arte como também no seu visual, que chama muita atenção, mesmo hoje em dia, com mais de 80 anos.
Aos 27 anos, Kusama, resolveu ir para os Estados Unidos, a pedido de uma grande amiga e artista, Georgia O’Keeffe. Nessa época, o Japão ainda se recuperava da guerra e Kusama percebeu que lá fora, ela poderia exercer sua arte e ganhar mais reconhecimento.
Em Nova Iorque, ela trabalhou com grandes nomes da Arte Moderna e Contemporânea como Andy Warhol, Joseph Cornell e Donald Judd e logo passou a liderar o movimento da vanguarda.
Participou de diversas exposições de arte a céu aberto no Central Park e Brooklyn Bridge, muitas vezes envolvendo nudez. Engajou-se numa campanha contra a guerra do Vietnã e foi, ou melhor, continua sendo, uma grande simpatizante na luta dos homossexuais por seus direitos na sociedade.
Enfim, sempre foi uma mulher à frente do seu tempo, feminista, moderna e revolucionária por natureza.
Em 1973, Kusama, resolveu retornar ao Japão por problemas de saúde. Seu transtorno obsessivo tinha se agravado, e assim se internou em um Hospital Psiquiátrico e lá vive até hoje por vontade própria, apesar de usar seu apartamento há poucos minutos do Hospital como ateliê para sua mente inquieta e sem limites.
Suas obras, que já chegam a milhares, podem ser vistas não só em museus no Japão e Nova Iorque como em várias partes do mundo, como Venezuela, Singapura, Espanha e até no Brasil.
A obra Narcissus garden Inhotim (2009), pode ser encontrada no Centro Cultural Inhotim, em MG. São dezenas de grandes esferas prateadas, que ficam na superfície da água e que podem ser movidas conforme a ação dos ventos.
Narcissus garden Inhotim no Centro Cultural Inhotim
Essa obra é uma réplica/versão da escultura que fez em 1966 para participar da Bienal em Veneza, onde ela espalhou 1500 esferas espelhadas e as vendia por 2 dólares. Entre as bolas, havia placas com os dizeres ” Seu narcisismo à venda”. Era uma forma que ela encontrou para criticar ao sistema das artes.
Suas obras possuem um valor inestimável, como podemos perceber por essa obra abaixo, vendida pela galeria Christie New York pela bagatela de US $ 5,1 milhões, um recorde para um artista vivo do sexo feminino. Veja a obra na foto abaixo:
Considerada louca por alguns, o que se pode dizer de Yayoi Kusama é que mesmo na sua loucura e em seus desvarios, ela encontrou na arte, a fuga e o tratamento da sua doença, se tornando um dos grandes nomes da Arte Pop, ainda em vida. Como ela mesmo diz: Se não fosse sua arte, já teria se matado há muito tempo.

Louca? Acho que loucos somos nós… Ao menos, ela tem talento para dar e vender!

quinta-feira, setembro 05, 2013

Múmia encontrada na Alemanha

A polícia alemã, investigadores e legistas tentavam decifrar um mistério, depois que um menino de 10 anos encontrou uma múmia em um sarcófago, no sótão da casa de seus avós.
Uma tomografia computadorizada revelou que o crânio humano, atravessado por uma flecha que sai da órbita do olho direito está muito bem preservado, assim como várias partes de um esqueleto que repousa com os braços cruzados sobre o peito, noticiou o jornal local Kreiszeitung.
Raios-X mostram que uma camada metálica cobre os ossos do indivíduo de 1,49 metro e gênero desconhecido.
O pai do menino, Lutz-Wolfgang Kettler, disse que seu pai, falecido 12 anos antes, viajou nos anos 1950 para o norte da África e pôde ter trazido a múmia como um souvenir macabro.
As bandagens da múmia, que não foram retiradas por medo de danificar os restos mortais, são do século XX e foram tecidos à máquina, disse Kettler, dentista que assistiu à realização da tomografia computadorizada.
O patologista Andreas Nerlich, do hospital Bogenhausen de Munique, disse ao site de notícias na internet Spiegel Online que, embora o esqueleto e os ossos sejam autênticos, a múmia é "falsa, feita com restos de um ou vários corpos humanos".
"O que estamos nos propomos é uma série de perguntas a respeito" desde que o menino, Alexander, encontrou a múmia há um mês, disse Kettler.
A polícia e a promotoria tomaram nota do caso na cidade de Diepholz, no estado da Baixa Saxônia, e estão à espera de mais informações sobre a procedência do corpo.
"Vamos esperar até que saibamos quão velhos são os ossos", disse à imprensa o porta-voz da polícia, Frank Bavendiek.
"Se têm centenas de anos, trata-se de uma múmia e não vamos investigar", acrescentou

segunda-feira, setembro 02, 2013

As pessoas caras são raras

Não era pra doer mais. Esse tipo de coisa já aconteceu inúmeras vezes, mas ainda dói. Ser preterida é a sensação mais horrível de sentir. Aconteceu de novo. Acho que é porque era a pessoa certa. Perder algo que é caro, machuca. As pessoas caras são raras.

Thiago Cid - citado em postagens anteriores - ensinou- me muito mais do que eu podia imaginar. Me deixou esperta. Me fez inteligente, curiosa. Me fez aprender que a dor da perda tem que durar apenas 3 dias. Que o choro venha com volúpia nesse período. Que a raiva se exale pelos poros. Que coisas sejam quebradas. Palavrões sejam ditos. Que a tristeza seja sentida em sua plenitude. E que tudo, tudo isso passe. Porque a vida segue.

Enfim você chegou!

O Tarot e a Psicologia

Ψ Jung e o Tarot - Uma Jornada Arquetípica - O Tarô é um dos espelhos do  pensamento inconsciente.  - Cada uma das cartas...