sexta-feira, julho 29, 2011

Nação Rivotril



Todo mundo tem um refúgio a que costuma recorrer para aliviar o peso dos problemas. Pode ser um lugar tranquilo, talvez a praia. O pensamento em uma pessoa querida. Uma extravagância, como compras ou aquele prato proibido pelo médico. 

Ou pode ser o armarinho de remédios de casa.Na farmácia não se encontra produto descrito como "paz em drágeas" ou "xarope de paz". Mas muita gente acha que é isso o que deveria dizer o rótulo do Rivotril, um ansiolítico (ou, popularmente, umcalmante). Rivotril é prescrito por psiquiatras a pacientes em crise de ansiedade - nos casos em que o sofrimento tenha causa bem definida. Mas tem sido usado pelos brasileiros como elixir contra as pressões banais do dia a dia: insônia, prazos, conflitos em relacionamentos. Um arqui-inimigo dos dilemas do mundo moderno. Tanto que o Brasil é o maior consumidor do mundo em volume de clonazepam, o princípio ativo doremédio. Serão 2,1 toneladas em 2010, o que coloca o Rivotril no topo das paradas farmacêuticas daqui. É o 2º remédio mais vendido no país, à frente de nomes como Hipoglós e Buscopan Composto - em 2004, era o 4º da lista. Só perde agora para o Microvlar, anticoncepcional com consumo atrelado à distribuição pelo governo via Sistema Único de Saúde (SUS). E olhe que o Rivotril é um remédio tarja preta. Só pode ser comprado na farmácia com a receita do médico em mãos. "A maior parte das vendas desse medicamento acontece via prescrição. Mas muitos conseguem o remédio com receita em nome de outros pacientes ou até pela internet", afirma Elisardo Carlini, diretor do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, da Unifesp. Em alguns casos, até há a prescrição - mas de um médico não especialista, segundo Alexandre Saadeh, professor do Instituto de Psiquiatria da USP. "Ginecologistas costumam prescrever Rivotril para pacientes que sofrem fortes crises de TPM", diz. Até porque poucos brasileiros vão ao psiquiatra, de acordo com a Roche, laboratório responsável pelo Rivotril. "Grande parte dos brasileiros tem dificuldade de acesso a psiquiatras, e isso está relacionado à prescrição do Rivotril por médicos não especialistas", afirma Maurício Lima, diretor-médico da Roche.Foi assim, por via não ortodoxa, que a popularidade do Rivotril cresceu. Não é difícil ouvir donas de casa recomendando o remédio a uma amiga que tem tido problemas para dormir. "Quem nunca ouviu que uma tia ou uma vizinha toma Rivotril há 20 anos e só dorme com isso?", pergunta o professor de psiquiatria do curso de medicina da PUC de São Paulo, Carlos Hubner. Ou achar relatos do tipo "Rivotrilé meu melhor amigo" no Orkut e no Facebook. Nessas histórias, o Rivotril aparece sempre como um freio para sentimentos como medo, rejeição, angústia, tristeza e ansiedade. "Houve Big Brother em que eu estava com muita ansiedade e usava Rivotril para entrar no ar", disse Pedro Bial em entrevista à revista Playboy. O remédio tem sido usado até para cortar o efeito de outras drogas, segundo o psiquiatra André Gustavo Silva Costa, especialista em tratamento de dependentes químicos. "Jovens têm tomado o Rivotril para cortar o efeito de drogas como cocaína. Eles querem dormir bem para conseguir trabalhar no dia seguinte", diz. O que é que o Rivotril tem?Mas que mágica é essa? Quando somos pressionados, algumas áreas do cérebro passam a trabalhar mais. Vem a ansiedade. O Rivotril age estimulando justamente os mecanismos que equilibram esse estado de tensão - inibindo o que estava funcionando demais. A pessoa passa a responder menos aos estímulos externos. Fica tranquila. Ainda que o bicho esteja pegando no trabalho, o casamento indo de mal a pior e as contas se acumulando na porta. É essa sensação de paz que atrai tanta gente. Afinal, a ansiedade traz muito incômodo: suor, calafrios, insônia, taquicardia... "Muitas vezes o sofrimento se torna insuportável. O remédio é valioso quando o paciente piora", diz Silva Costa. Para a carioca Bruna Paixão, de 32 anos, funcionou. "Um dia tomei uma bronca do meu chefe e fiquei péssima. Só pensava nisso. Aí resolvi tomar Rivotril para dormir. Tinha uma caixa em casa, dada por um amigo médico. Assisti um pouco de TV, conversei com um amigo no telefone e fui ficando bem", diz. Justamente por trazer essa calma toda, o Rivotril não é recomendado a qualquer um. Seu consumo por profissionais que têm de se manter ágeis e em estado de alerta - como pilotos de avião e operadores de máquinas, por exemplo - é desaconselhado por médicos. "O Rivotril dá a falsa impressão de que a pessoa produz mais, mas a verdade é que o remédio só deixa mais calmo", diz José Carlos Galduroz, psiquiatra da Unifesp.Não é só com o Rivotril que isso acontece. Os calmantes da família dele - os chamados benzodiazepínicos - têm o mesmo papel. São remédios como Lexotan, Diazepam e Lorax. Em parte, oRivotril ficou famoso ao pegar carona na onda dos "benzo". Eles surgiram na década de 1950, e logo viraram os substitutos para os barbitúricos, como o Gardenal. Os barbitúricos têm indicação semelhante à dos benzo. Mas são mais perigosos: a linha entre a dosagem indicada para o tratamento e aquela considerada tóxica é muito tênue. A mais famosa vítima dos excessos de barbitúricos foi Marylin Monroe (embora haja dúvidas sobre o envenenamento acidental da atriz). Quando surgiram os benzodiazepínicos, o mundo achou um combate mais seguro à ansiedade. "Uma overdose de remédios como o Rivotril é praticamente impossível", diz Saadeh, da USP. É verdade, o Rivotril tem berço, vem de uma família benquista pelos médicos. Isso já garante uma popularidade. Mas ele tem uma vantagem extra em relação aos parentes. Seu tempo de ação é de, em média, 18 horas no organismo, entre o início do relaxamento, o pico do efeito e a saída do corpo. É o que os médicos chamam de meia-vida. "A meia-vida do Rivotril é uma das mais confortáveis para o paciente, porque fica no meio-termo em relação aos outros remédios para a ansiedade e facilita a adaptação", diz Saadeh. Na prática, esse meio-termo significa que o efeito do Rivotril não termina nem cedo demais - o que poderia fazer o paciente acordar de uma noite de sono já ansioso - nem tarde demais - o que não prolonga a sedação por um período maior que o desejado.No Brasil, o Rivotril tem ainda outra vantagem importante. Repare: somos os maiores consumidores mundiais do remédio, mas estamos apenas na 51ª colocação na lista global de consumo de benzodiazepínicos. Ou seja: o mundo consome muitos benzo, nós consumimos muito Rivotril. Por quê? Por causa do preço. Uma caixa de Rivotril com 30 comprimidos (considerando a versão de 0,5 miligrama) custa em torno de R$ 8. O principal concorrente, o Frontal, da Pfizer, custa cerca de R$ 29. Tudo isso faz o pessoal se esquecer da tarja preta do remédio. Mas ela está lá por um motivo, é claro. E esse motivo é o risco de dependência. O risco é o mesmo visto em outros benzodiazepínicos. São dois, aliás. O de dependência química e o de dependência psicológica. Na química, o processo é parecido com o gerado por drogas como álcool e cocaína. O uso prolongado torna o cérebro dependente daquela substância para funcionar corretamente. A outra dependência é a psicológica. A pessoa até para de tomar o remédio, mas mantém uma caixa sempre no bolso como precaução. "Cerca de 80% das pessoas que usam benzodiazepínicos ficam dependentes em 2 ou 3 meses de uso", diz Anthony Wong, diretor do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas, de São Paulo. "E a maioria tem sídrome de abstinência se o remédio for tirado de uma hora para outra."Em casos mais graves, a abstinência pode levar o paciente a uma internação. A pessoa pode ver, ouvir e sentir coisas que não existem, apresentar delírios (como ser perseguida por extraterrestres), agitação, depressão, apatia, entre outros sintomas. E para cortar a dependência? "O paciente precisa querer parar. Há drogas que tratam os sintomas da abstinência em no máximo 4 semanas", afirma Carlo Hubner, da PUC. Livrar-se do Rivotril é duro porque é preciso enfrentar todos os fantasmas de que o paciente queria se livrar quando buscou o remédio. Afinal, o remédio só esconde os problemas. Eles continuarão lá, à espera de solução. O verdadeiro adeus é o momento em que se aprende a lidar com a ansiedade. Sozinho. Ou talvez com uma passadinha rápida na praia. Pensando no namorado. Ou com a ajuda daquela lasanha (bem gorda).

quinta-feira, julho 28, 2011

Infecção urinária


INFECÇÃO URINÁRIA
A infecção do trato urinário (IU) constitui uma das principais causas de consulta na prática médica, só perdendo para as infecções respiratórias.
É importante, assim, definir e caracterizar a infecção urinária, bem como explicar os termos mais usados pelos médicos, o que é abordado neste primeiro artigo.
No segundo artigo trataremos das cistites (infecção urinária baixa) e, no terceiro, das pielonefrites (infecção urinária alta).
No quarto artigo, trataremos das infecções urinárias nas crianças e, no quinto, das infecções urinárias nas gestantes.
Assim, para que se tenha uma idéia abrangente da IU, é aconselhável ler os artigos em seqüência pois eles abordam as infecções urinárias de diferentes ângulos.
O que é ?
A IU é a presença de microorganismos em alguma parte do trato urinário. Quando surge no rim, chama-se pielonefrite; na bexiga, cistite; na próstata , prostatite e na uretra, uretrite.
A grande maioria das IU é causada por bactérias, mas também podem ser provocadas por vírus, fungos e outros microorganismos. A maioria das infecções urinárias ocorre pela invasão de alguma bactéria da flora bacteriana intestinal no trato urinário. A bactéria Escherichia coli, representa 80-95% dos invasores infectantes do trato urinário.
Às vezes, o paciente apresenta sintomas semelhantes aos da IU, como dor, ardência, urgência para urinar e aumento da freqüência, mas os exames culturais não mostram bactérias na urina.
Estes casos podem ser confundidos com IU e são chamados de síndrome uretral aguda, que pode ter outras causas não infecciosas, mas de origem inflamatória, como químicas, tóxicas, hormonais e irradiação.
Como ocorre?
O acesso dos microorganismos ao trato urinário se dá por via ascendente, ou seja, pela uretra, podendo se instalar na própria uretra e próstata, avançando para a bexiga e, com mais dificuldade, para o rim.
Dificilmente, as bactérias podem penetrar no trato urinário pela via sangüínea. Isto ocorre apenas quando existe infecção generalizada (septicemia) ou em indivíduos sem defesas imunitárias como aidéticos e transplantados. A intensidade da IU depende das defesas do paciente, da virulência do microorganismo e da capacidade de aderir à parede do trato urinário.
Como a urina é estéril, existem fatores que facilitam a contaminação do trato urinário, tais como:
obstrução urinária: próstata aumentada, estenose de uretra, defeitos congênitos e outros
corpos estranhos: sondas, cálculos (pedras nos rins), introdução de objetos na uretra (crianças)
doenças neurológicas: traumatismo de coluna, bexiga neurogênica do diabetes
fístulas genito-urinárias e do trato digestivo, colostomizados e constipados
doenças sexualmente transmissíveis e infecções ginecológicas.

As orientações profiláticas e terapêuticas desses fatores facilitadores poderão ser vistas nos artigos sobre cistite, pielonefrite e infecção urinária na criança e grávida.
O que se sente ?
O ato de urinar é voluntário e indolor. A presença de:
dor
ardência
dificuldade e/ou urgência para urinar
micções urinárias muito freqüentes e de pequeno volume
com urina de mau cheiro, de cor opaca
com filamentos de muco

formam um conjunto de dados que permite ao médico suspeitar que o paciente está com infecção urinária. Muitas vezes, somam-se a esses sintomas e sinais dores na bexiga e no final da micção, gotejamentos de pequenas quantidades de sangue.
Quando o rim é atingido, o paciente apresenta, além dos sintomas anteriores, calafrios, febre e dor lombar, podendo, algumas vezes, ocorrer cólicas abdominais, náuseas e vômitos.
Como se faz o diagnóstico?
A presença dos sinais e sintomas de IU obriga o médico a solicitar um exame comum de urina e uma urocultura. Para isso, é muito importante que a coleta de uma amostra de urina seja feita sem contaminação. A contaminação, geralmente, é de microorganismos da uretra, da região perianal e algumas vezes da tosse ou das mãos que manuseiam os frascos esterilizados.
Há quatro métodos de coleta: jato urinário médio, coletor urinário, sondagem e punção da bexiga. Cada um desses métodos tem suas indicações, conveniências e complicações. O médico deve decidir qual é o melhor para o seu paciente.
A maioria das coletas é feita pelo jato médio da primeira urina da manhã, após uma higienização bem feita da região peri-uretral. O jato médio é o jato urinário colhido após ter sido desprezada a primeira porção da urina, que poderia estar contaminada por microorganismos da uretra.
O exame comum de urina, no caso de IU, apresenta bactérias e grande quantidade de leucócitos (glóbulos brancos), predominando sobre os eritrócitos (glóbulos vermelhos) no sedimento urinário.
O exame cultural da urina na IU mostra um crescimento de bactérias superior a 100.000 germes por mililitro de urina. Esta quantidade de bactérias permite o diagnóstico de IU em mais de 95% dos casos, desde que não tenha havido contaminação. Algumas vezes, em certas situações, um número menor de bactérias, também, pode significar IU.
É bom sempre lembrar que a urina é estéril e não deve ter bactérias.
Continue lendo sobre IU nos artigos sobre cistite e pielonefrite.
Glossário
Fístulas: é uma abertura que comunica duas cavidades, como pode ocorrer com a bexiga e a vagina (fístula vésico-vaginal).
Colostomizado: é o paciente que precisa defecar em bolsas especiais, porque tem ânus contra a natureza.

O tempo é mágico

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.

Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. 

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.

Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleito antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado de Deus.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.

O essencial faz a vida valer a pena.

Projeto: Bom Dia Coração

Nada neste mundo faz sentido se não tocamos o coração das pessoas. 

Se a gente cresce com os golpes duros da vida, também pode crescer com os toques suaves na alma. 

quarta-feira, julho 27, 2011

Sou a segunda na vida de alguém


Baladinha de sexta à noite num Pub que você curte, tocando as canções que você sabe cantar e ainda por cima acompanhada do cara que você queria que estivesse com você.



O beijo é excelente. Daqueles que você não tem vontade de desgrudar sua boca da dele, mas que ocasionalmente é interrompido por um gole de cerveja no gargalo, ou por uma conversa desprendida de moralismo.



Você fala no ouvido dele que está com vontade de fazer um carinho que não poderia ser feito naquele lugar e os ânimos aumentam, grudando novamente aquelas bocas que brincam de beijar, mordiscando lábios superiores e inferiores, alternando entre chupadelas de línguas quentes salientes e gemidos tímidos.



O beijo é interrompido por abraços apertados, onde os corpos ardentes exalam o cheiro da vontade crescente. Olhos se encontram e a boca diz que você é a segunda mulher dele. Como assim a segunda mulher? Bem, você é a segunda mulher que ele leva pra cama. Por instantes você para a pensar no propósito em saber deste segredo. Por que raios ele quer que você saiba disso?O mais óbvio motivo é porque ele quis se defender por não transmitir nenhuma DST a você.  Entretanto, dizer à segunda pessoa com quem você transou na vida, que ela é a segunda, é algo tão significante quanto ter deixado de ser virgem.

Explico por que.



Cheguei a esta conclusão ao me lembrar do meu SEGUNDO. Puxa vida! Quando você tem um relacionamento com alguém há anos, cheio de cumplicidade e descobertas, dedicação, carinho, brigas, enfim, todo o processo de namoro. Dentre eles todas as experiências sexuais cabíveis, possíveis, impossíveis, até serem realizadas por vocês dois, o próximo passo é saber como é com outras pessoas.



Cada um tem seu “ritual de passagem” para a segunda pessoa. Geralmente os homens tendem a se relacionarem com outra mulher, ainda comprometidos. As mulheres costumam se deixarem levar depois de um rompimento. Após terem passado pelo processo de tomar coragem, ou “seja lá o que Deus quiser”, para saber como é se “entregar” a outro toque.



Se me recordo bem, comigo foi meio frustrante, porém importante. Tanto que eu disse a ele que ele era meu segundo.



Entre idas e vindas. Brigas e retomadas com o primeiro namorado, o fim inevitável veio. Anos depois é que fui entender essa coisa de “experimentação”. Contudo, retomando ao SEGUNDO, eu senti a necessidade em dizer que ele foi o segundo. É uma coisa do tipo: se eu não fizer certo, me perdoe, não estive com outro além do meu PRIMEIRO.   



O interessante foi que ele se passou pelo cara mais compreensivo do mundo e não insistiu quando eu pedi pra parar. Céus! Não devia dizer isso aqui, mas entrei em prantos e o cara nem sabia o que fazer comigo. Que bobagem. Ele me levou para casa.



Retomando ao dia que fiquei sabendo que fui a segunda na vida de alguém, vejo que não faz muito sentido alguém dizer que você é o segundo. Nem sei se isso é importante mais. Eu fiquei ali, pensando se deveria dizer alguma coisa. O que eu teria que dizer? Será que eu teria que mostrar o quão experiente eu sou e ter que ensinar? ENSINAR, não é bem a palavra, porque o cara já tá pronto. E muito bem, diga-se de passagem. A questão é que eu sempre serei lembrada como a SEGUNDA. A primeira mulher depois da MINHA NAMORADA. Talvez essa seja a importância. Talvez o SEGUNDA, seja a passagem para a terceira, quarta e por aí vai. Da terceira em diante, não faz mais diferença. Ou quem sabe eu seja apenas a outra e ele fique com a primeira.


terça-feira, julho 26, 2011

Algo Dentro de Você


Quando a única pessoa que você procura

Não se encontra em canto algum

E você intensifica de volta todos seus passos

Tentando descobrir

Você quer procurar

Você quer desistir

Sua cabeça está presa em volta no que envolta é a próxima esquina

Você deseja poder encontrar algo quente

Por que está tremendo de frio

É a primeira coisa que você vê enquanto abre seus olhos

A última coisa que você diz enquanto está dizendo adeus

Algo dentro de você está chorando e te guiando

É a primeira coisa que você vê enquanto abre seus olhos

A última coisa que você diz enquanto está dizendo adeus

Algo dentro de você está chorando e te guiando


Pois se você não tivesse me encontrado

Eu teria encontrado você

Eu teria encontrado você


Tanto tempo você esteve correndo em círculos

Em volta do que está em jogo

Mas agora o tempo vem até seus pés para ficar parado em um único lugar

Você quer procurar

Você quer desistir

Sua cabeça está presa em volta no que envolta é a próxima esquina

Você deseja poder encontrar algo quente

Por que está tremendo de frio

É a primeira coisa que você vê enquanto abre seus olhos

A última coisa que você diz enquanto está dizendo adeus

Algo dentro de você está chorando e te guiando

É a primeira coisa que você vê enquanto abre seus olhos

A última coisa que você diz enquanto está dizendo adeus

Algo dentro de você está chorando e te guiando


Pois se você não tivesse me encontrado

Eu teria encontrado você

Eu teria encontrado você


Esse foi o seu primeiro gosto do amor

Vivendo sobre o que você tinha


É a primeira coisa que você vê enquanto abre seus olhos

A última coisa que você diz enquanto está dizendo adeus

Algo dentro de você está chorando e te guiando


Pois se você não tivesse me encontrado

Eu teria encontrado você

Eu teria encontrado você

Eu teria encontrado você

Eu teria encontrado você

Levando a sério - banda swell


Mais um dia com você no pensamento
Não sei porquê eu to levando muito a sério
A ideia de ficar só com você
Por favor escute o que eu tenho pra dizer
Eu passei a vida inteira procurando
Uma resposta pro que eu sinto
Eu acho que encontrei
Só de te olhar eu já me sinto bem
Eu quero ficar com você
A noite inteira na beira do mar
Olhando as estrelas e deixar rolar
Eu quero ter você perto de mim
Tocar em você é como tocar o céu
E a sua voz é uma sinfonia
Que toca a mais bela
Das belas canções
Eu quero viver intensamente
Cada momento cada instante
Já que nada é para sempre
Pra que esperar
Eu quero ficar com você
A noite inteira na beira do mar
Olhando as estrelas e deixar rolar
Eu quero ter você perto de mim
Eu quero ficar com você
A noite inteira na beira do mar
Olhando as estrelas e deixar rolar
Eu quero ter você perto de mim
Eu quero viver intensamente
Cada momento, cada instante
Já que nada é pra sempre
Pra que esperar
Pra que esperar
Eu quero ficar com você
A noite inteira na beira do mar
Olhando as estrelas e deixar rolar
Eu quero ter você perto de mim
Eu quero ficar com você
A noite inteira na beira do mar
Olhando as estrelas e deixar rolar
Eu quero ter você perto de mim
A noite inteira,
A noite inteira,
Eu quero ter você perto de mim.

sexta-feira, julho 15, 2011

Lampejos de felicidade

Feliz do homem que sabe valorizar uma mulher. Este sim, pode chamá-la de sua, não pelo sentimento de posse, mas por ela não querer ser de mais ninguém!!!
Outra razão pela qual o passado é inexpugnável: aquilo que está no guarda-roupa ou na cristaleira é apenas a parte visível da memória e dos afetos. O que vai por dentro, muito mais importante, é invisível ao olhar. Não dá para brigar com as lembranças que o seu homem carrega dentro dele. Se ele escuta uma música no rádio do carro e sorri, o que você diz? Se vocês viajam a uma cidade em que ele já esteve, o que você sente? Se ele para, absorto, relendo a dedicatória de um livro, como você faz? 

terça-feira, julho 12, 2011

Katana

Katana - A espada perfeita!
No século 14 um ferreiro chamado Masamune desenvolveu uma técnica de fabricação de estruturas duras e flexíveis de aço para ser usada em espadas. Surgia a poderosa Katana, a espada Samurai, considerada até hoje uma das mais perfeitas espadas do mundo. O Samurai utilizava diversas armas, mas a Katana era a arma que era sinônimo de samurai. O Bushido ensinava que a Katana era a alma do Samurai. Eles acreditavam que a Katana era tão valiosa que muitas vezes lhe davam um nome e a consideravam como parte de suas vidas.
Acredita-se que sua origem tenha sido a espada reta chinesa. Construída de forma artesanal, a Katana sofreu diversas alterações ao longo da história do Japão, por isso seu nome varia de acordo com o período ao qual pertence: Jokoto, Koto (espada antiga), Shinto (espada nova) e Gendaito (espada moderna). Esta última é na verdade uma imitação da espada tradicional, usada hoje para cerimoniais, pois, apesar de ter a aparência de uma espada tradicional, não é fabricada artesanalmente. A Katana hoje é um símbolo da cultura japonesa, um verdadeiro tesouro vivo, o que explica as leis que a protegem naquele país. Não é mais uma arma, mas um valioso objeto de arte que atrai pessoas do mundo inteiro e continuará a exercer o seu fascínio por muito tempo.
A Katana é feita de duas ligas de aço, uma flexível no interior e outra rígida no exterior, num processo artesanal bastante complexo. A primeira liga é utilizada para que a lâmina não estilhace, vergando-se, e a segunda para conferir a força necessária para que a lâmina corte e defenda os golpes de outras armas. O aço japonês utilizado em sua fabricação é uma liga diferente do aço ocidental, muito difícil de fabricar. A fundição é feita em recipientes de argila e não em um forno convencional.
Os artesãos do passado consideravam a arte de fazer espadas uma disciplina espiritual, purificando sua mente, seu corpo e seu espírito, bem como seu local de trabalho (em um ritual que podia durar semanas) antes de iniciar uma nova espada, porque consideravam seu trabalho um ato religioso que dava vida à lâmina, tornando-a portadora da energia de seu criador. Por isso o mestre-espadeiro não fazia sexo, não bebia, não comia carne e afastava-se das pessoas comuns durante todo o processo para não contaminar a espada, do contrário tudo teria de ser feito novamente.
A Katana tornou-se conhecida e respeitada porque era a arma tradicional dos samurais. Corta apenas de um lado e a lâmina é ligeiramente curva, resultado do seu processo de fabricação. Era usada tradicionalmente junto com a Wakizashi (menor que a Katana), sendo a Katana utilizada em campo aberto enquanto a Wakizashi era utilizada para lutar em pequenos espaços. O conjunto das duas armas chama-se Daisho, literalmente "grande e pequeno", e somente um samurai poderia usá-las, representando sua honra e prestígio.
Com a mudança de alguns conceitos, principalmente relacionados com a finalidade prática da espada, instrutores de esgrima começaram a ressaltar a importância da busca espiritual como uma forma de aprimoramento pessoal. Assim a Katana teria a função de dar a vida e não de tirá-la. O treinamento levaria o praticante a se conhecer e a aprender a viver em sociedade. Surgia o "caminho da espada" (Kendo) e as diversas artes marciais relacionadas a sua prática.

sexta-feira, julho 08, 2011

Eles querem se casar, elas a liberdade

Em relacionamentos, homens são fanfarrões e cafajestes. Às mulheres, cabe o papel de donzelas sonhadoras, o que alimenta aquela eterna guerra dos sexos, certo? Errado. Pelo menos é o que diz o site de relacionamentos ParPerfeito. Segundo estudo realizado pelo site em maio deste ano, as mulheres têm adotado uma postura mais prática em relação a sua vida amorosa do que os homens. Questões como casamento e filhos aparecem como temas de maior relevância para eles do que para elas, assim como a romântica máxima “foram felizes para sempre” tem mais efeito no universo masculino. Amor à primeira vista também é outro assunto menos importante para elas. Enquanto 72% dos entrevistados acreditam piamente em uma paixão arrebatadora logo de cara, esse número cai para 67% no caso delas. Na teoria, esses resultados parecem apontar para uma novíssima inversão de papéis, em que homens assumem uma postura cada vez mais romântica e as mulheres se transformam no personagem frio da relação. Na prática, os números podem mostrar que homens e mulheres continuam mentindo para atingir seus antigos objetivos: casamento para elas e sexo casual para eles. Qual o cenário mais realista? Estamos mesmo diante de uma mudança comportamental?

Cláudio Gandelman, presidente da Par perfeito, defende que sim. Ele diz que o fato de o estudo ter sido feito confidencialmente garante a autenticidade das respostas. Nenhum dos 19 mil participantes da pesquisa precisou se identificar nem justificar suas intenções. “Anonimamente, ninguém precisa mentir nem fazer gênero”, diz Gandelman. As únicas informações obrigatórias eram o sexo e a idade. Os resultados foram agrupados em quatro faixas etárias diferentes (18 a 25 anos, 26 a 35 anos, 26 a 45 anos e acima de 46 anos) e depois consolidados em uma média geral. As variações em cada faixa etária foram bem pequenas, exceto pelo grupo dos que estão acima dos 46 anos, pessoas que, segundo Gandelman, já constituíram família e viveram relacionamentos sérios ao logo da vida. “As mulheres estão mais independentes, enxergam cada vez menos o casamento como uma opção de vida”, diz.

Sem dúvida, respostas anônimas tendem a ser mais verdadeiras. Ainda assim, alguns resultados obtidos por esse levantamento suscitam dúvidas quanto à veracidade dos depoimentos pelo seu caráter inédito e quase inusitado. Um dos mais surpreendentes mostra que 58% dos homens pretendem ter filhos, enquanto apenas 43% das mulheres desejam o mesmo. Nos Estados Unidos, uma pesquisa semelhante feita pelo site Match.com, dono do ParPerfeito, aponta na mesma direção. Por lá, 54% dos homens querem crianças contra apenas 44% das mulheres. A professora do Núcleo de Pesquisas em Psicologia e Informática da PUC de São Paulo Andréa Jotta diz que é preciso tomar cuidado com esses dados. Ela afirma que, mesmo anonimamente, as pessoas tendem a projetar desejos quando estão atrás de uma tela de computador. Ainda que os homens não precisem se identificar, é possível que eles tenham respondido o que gostariam de ser ou o que é socialmente menos condenável, transmitindo uma falsa imagem de romantismo e apego a tradições como o casamento. A regra também vale para o lado feminino. Cansadas de desilusões amorosas, as mulheres poderiam ter respondido aos questionários de acordo com a imagem forte que gostariam de ter e com medo de afugentar os potenciais parceiros. Assim, podem ter criado uma imagem de desapego irreal. “Elas não querem passar a imagem de que andam com um anel de casamento no bolso”, diz Andréa.
Pode ser. Apesar das ressalvas da professora Andréa, consegui encontrar dois exemplos de pessoas que confirmam as pesquisas do ParPerfeito: o empresário Rodrigo Giacomini, de 27 anos, e a corretora Ana Maria Marcico, de 40. Giacomini diz que não tem medo de assumir seu romantismo. Cliente do site há seis anos, Giacomini disse ter procurado o site para encontrar uma namorada fora do ambiente de boates, onde, afirma, é muito difícil estabelecer uma conversa mais séria. Já conseguiu nove, e procura a décima candidata a mulher da sua vida. “Chega uma idade em que cansamos de brincar.” Apesar das boas intenções, acha que as mulheres do site têm agido de forma arredia por medo de se magoar, mas, no fundo, gostariam de algo mais sério. “Elas não querem se iludir porque tiveram experiências ruins com outros homens”, diz.

Ana Maria discorda de Giacomini. Ela diz não ter vontade de casar nem de ter filhos e garante que não faz isso por marketing pessoal ou por histórias mal resolvidas. Aos 40 anos, Ana até gosta de relacionamentos sérios, mas prefere não se mudar da casa da mãe. Seu último namoro durou dez anos e não a convenceu a encarar um altar de véu e grinalda. “Estou casada com a minha liberdade”, diz. Ela acredita que pessoas como ela sejam mais comuns do que no passado e afirma nunca ter sido alvo de preconceito por não se enquadrar no modelo mãe de família. “O mundo está muito populoso, meus amigos e minha família já aceitam que essa é minha contribuição”, diz. Apesar da aversão às bodas, Ana reconhece que tudo pode acontecer. “O amor é imprevisível.”

Esse talvez seja o maior ponto fraco da pesquisa. Os entrevistados foram induzidos a escolher apenas algumas opções para perguntas que admitiam uma grande variedade de respostas. Questionados sobre o significado da frase “eu te amo”, homens e mulheres tinham apenas quatro possibilidades de interpretação: “gosto de você”, “quero você na minha vida”, “quero passar o resto da minha vida com você”, e “quero um relacionamento sério com você”. “É muito difícil falar sobre esse assunto sem levar em conta a complexidade da vontade humana”, diz Bernardo Jablonski, psicólogo social da PUC do Rio de Janeiro. Jablonski destaca que os números da pesquisa mostram ainda uma diferença muito pequena na porcentagem de homens e mulheres que sonham e em casar e ter filhos. “É uma mudança, sim, mas toda mudança acontece de forma muito lenta, as coisas demoram para se transformar”, diz. “No fundo, as mulheres ainda querem subir ao altar e os homens ainda sentem necessidade de aprontar”, diz. Será? O que vocês acham disso?

quarta-feira, julho 06, 2011

Por que elas choram tanto?

Os homens ficam perplexos diante do choro das mulheres. Há nele alguma coisa que nos comove e nos confunde. Por quê? Os evolucionistas dirão que o choro talvez seja um instrumento evolutivo para conter a agressividade masculina, mas ninguém sabe. O fato é que as mulheres choram muito. Muito mais que os homens, quero dizer. Choram em festas, choram em filmes, choram, sobretudo, na intimidade. Conviver com uma mulher é aprender a vê-la chorar – e entender. Mas isso não é fácil. Leva tempo e exige experiência acumulada. Com o intuito de cortar caminho e facilitar a vida dos mais jovens, segue um breve guia sobre os diferentes tipos de choro, o que eles significam e como se deve lidar com eles. Se funcionar, será uma enorme surpresa:
1. Choro sem razão: esse é o mais comum e o mais frequente. A mulher parece nervosa e desata a chorar por uma banalidade qualquer. O controle remoto sumiu. Ou a calça de lã preta ficou apertada. Por trás disso, em geral, há um desarranjo hormonal periódico chamado de TPM. Algumas mulheres ficam irascíveis nesse período. Outras se tornam ultra sensíveis. Todas choram sem razão aparente. O melhor conselho é sair do caminho. Se isso for impossível, tente ser gentil sem chegar perto demais. Às vezes uma caixa de bom-bons resolve. Outras vezes é sexo, mas com risco de vida. Jamais – eu repito – jamais mencione a expressão TPM. Finja que você e ela não sabem a origem daquilo tudo.
2. Choro de tristeza: também esse é bastante comum. Por alguma razão ela está insatisfeita, em geral com ela mesma. Esse tipo de choro vem precedido de quietude e olhares magoados. Seu papel é sentar-se bem pertinho, passar o braço em volta dela e pedir para ouvir. Desligue a TV e esqueça o livro. A conversa será longa, mas tende a ter final pacífico e feliz. Se houver uma banheira por perto, é o lugar certo para uma esponjada final, demorada e carinhosa. Na falta dela, banho de chuveiro e massagem nos pés. Seu papel nesse caso é o de pai, mas fazendo depois coisas que ele não faria.
3. Choro de DR: é preciso ter cuidado para não confundir com o choro de TPM. Os sinais de nervosismo são os mesmos, mas este tem um motivo racional. Alguma coisa – real ou imaginária – está acontecendo e ela quer discutir a relação. Você não tem alternativa. Logo, ouça com atenção. Em meio ao choro e à catarata de argumentos emocionais, algo vai aparecer com clareza, em algum momento. Você fez ou deixou de fazer alguma coisa importante. Pode ser uma miudeza, como a data de início de namoro que passou batido, ou pode ser alguma coisa grave. Talvez ela queira morar junto ou casar ou ficar grávida. Talvez ela ache que você não goste mais dela. Em qualquer hipótese, seja racional, mas não perca a empatia. E tome extremo cuidado para não ser manipulado a fazer coisas que não deseja fazer apenas para aplacar o choro dela. Desde os tempos bíblicos há homens que perderam a cabeça por causa das lágrimas de uma mulher. Pergunte a João Batista.
4. Choro de raiva: em geral tem alguma frustração no meio. Pode ser o trabalho dela que não avança, pode ser a sua vagabundice em casa, pode ser aquela gostosinha que ficou dando bola para você na frente de todo mundo na festa. Pode ser também, a la Nelson Rodrigues, que ela esteja chorando por alguém que não é você, e a tratou mal. Choro de raiva é alto, envolve gritos, tem vocação para barraco. O melhor é acalmá-la e dar razão no que for possível. Depois se conversa.
5. Choro de desapontamento: o olhar que o antecede parece ao de tristeza, mas tem um brilho mais acusatório. Como você foi capaz? Por trás desse choro sentido pode haver uma situação facilmente contornável – como a sua impaciência com a mãe ou a melhor amiga dela – ou algo realmente explosivo, como a história maluca com a garota do trabalho. Se for a segunda hipótese, o choro é serio. Às vezes, ele significa que ela ainda gosta de você e, quem sabe, diante de uma catarse (seria bom você também cair no choro...) as coisas possam se arranjar. Outras vezes o choro é de luto. Nesse caso, ela está chorando a relação que acabou. Você já era.
6. Choro de adeus: esse mistura tristeza e culpa. Ela está explicando que não dá mais, e cai no choro. Nessas horas você está confuso, sente-se uma droga e tem vontade de chorar também, por estar levando um pé na bunda. Mas homem não chora, né? Essa, aliás, é a uma das coisas que o convívio com as mulheres deveria nos ensinar. Chorar. De tristeza, de raiva, de frustração, de mágoa. Chorar até sem motivo. Isso nunca fez mal às mulheres. Talvez faça algo por nós.

A beleza feminina

Escuto, indiscreto sem querer, a conversa do casalzinho que está à mesa ao lado da minha, em um restaurante qualquer.
Muito séria, a mocinha pergunta:
- O que é que você considera "uma mulher bonita"?
Galante e até mesmo um pouco anacrônico, o rapaz responde:
- Uma mulher como você...
Não posso deixar de considerá-lo cavalheiro mas, da mesma maneira, eu o acho um pouco pobre no que diz respeito à definição.
Sorrio, com tristeza, de mim mesmo.
Se sou capaz de me julgar capacitado à crítica, essa capacidade se deve apenas à idade... O que tenho, no fundo, não passa daquele ciúme nostálgico que bem pode ser explicado como "inveja da juventude"...
A mocinha, mais objetiva e bastante exigente, não se contenta com aquela resposta e reclama:
- Você não disse nada. Não respondeu à minha pergunta.
Muito mais esperto do que eu poderia imaginar, o rapaz lhe dá um beijinho, outro e mais outro, atacando imediatamente em seguida seu prato, deixando o assunto tombar por terra.
Está decidido a não responder, a não se comprometer...
Pois bem, cara mocinha, minha bela menina-mulher... Já que seu companheiro não satisfez sua curiosidade, vou procurar fazê-lo.
Em primeiro lugar, não pense você que a presença destes cabelos brancos e destas rugas que maldosamente já começam a me circundar os olhos e a tornar mais duro o meu sorriso, sejam motivos suficientes para você me classificar de "velho". Posso ser mais idoso que você e seu companheiro juntos, mas ainda falta muito para que eu me considere velho e ultrapassado.
No fundo, esses anos todos que já vivi, no mínimo serviram para que certos conceitos meus sejam um bocado diferentes da média, sejam talvez muito subjetivos e até difíceis de explicar mas, pode acreditar, minha menina bonita, são conceitos trabalhados, vivenciados e muito analisados...
Conceitos que, pelo menos, me satisfazem e que, no que diz respeito à beleza feminina, pode ser que a satisfaçam também.
Certa vez, ouvi um desses filósofos de bar dizer que o belo na mulher é exatamente aquilo que se contrapõe ao feio do homem.
Talvez seja esta uma boa maneira de entender como e por que mulheres tão bonitas se casam com homens tão feios... e vice-versa.
Mas, em minha opinião, são balelas, ginásticas mentais e palavrório inútil.
Uma mulher é bela por que...
É simplesmente bela.
Ao lado da parte física, a matéria harmoniosamente constituída, as linhas e curvas esteticamente bem equilibradas, há algo mais, há qualquer coisa que faz com que o homem que a vê sinta, de repente, um enlevo todo especial e a deseje...
Sim, ele pode desejá-la e de muitas maneiras.
Talvez até mesmo como eu a estou desejando agora, sem nem sequer pensar em qualquer coisa que seja diferente de um platonismo até fora de moda.
É esse algo mais, essa aura que circunda a mulher que é bela, que é capaz de fazer com que uma criança - esse serzinho que ainda não tem maldade em sua alma, que não tem malícia alguma em seu coração e não possui qualquer idéia carnal em sua mente -a veja e diga, com um sorriso encabulado:
- Você é bonita...
Seria, essa aura, uma expressão ectoplásmica da bondade?
Não sei...
Não sei definir muito bem o que possa ser a bondade feminina.
Seria a capacidade de se entregar ao amor, de se dedicar ao homem que ama, de se desdobrar como diz Raimundo Corrêa, "desfiando fibra por fibra o coração" em relação a seus filhos? Ou seria a bondade apenas o fato de ser cordata, dócil, simpática e sempre pronta a servir?
Há mulheres belas que não são assim...
Têm sua vida própria, seu brilho próprio, independem de todo e qualquer homem, não querem saber de filhos - estes atrapalhariam seus objetivos - e nem por isso deixam de ser belas, deixam de ser desejadas...
Mas...
Olhando-me interiormente, avaliando a experiência que estes cabelos brancos provam, penso se estas mulheres, belas, belíssimas, maravilhosas e atraentes, mulheres por quem um homem seria capaz de cometer as maiores loucuras, penso se elas continuarão merecedoras de toda essa devoção... dentro de trinta anos.
Sim.
Dentro de trinta anos, quando a chamada "idade madura" chegar, com o grisalho nos cabelos, as juntas já um tanto rígidas, a disposição para tudo, bem arrefecida, a vida marcada por desencontros e desencantos, por desilusões e frustrações, será que essas mulheres continuarão belas?
Ou será que em seus rostos, já então vincados, não estará mais presente do que qualquer outra coisa, o amargor decorrente de tudo o que foi vivido, de tudo quanto foi passado, sofrido e,
sobretudo, de todos os momentos perdidos na perseguição de um ideal, de uma meta que, fundamentalmente, não era a sua?
Veja, minha bela menina-mulher...
Sim, pois você é bela, pelo menos ainda...
Continue assim como a vejo, olhando com carinho para esse bobalhão que está à sua frente... Continue a ser como é, a pensar como uma menina e a agir como uma mulher.
Talvez seja esse o segredo...
Tenha suas metas, persiga-as. Alcance-as. Realize seus sonhos materiais, profissionais, financeiros. Conquiste seu lugar na cruel sociedade, seja alguém, vença!
Mas, para que continue a ser bela, para que até mesmo esse apolônico imbecil que a tem hoje, continue a seus pés, é preciso apenas uma coisa: é preciso que você jamais deixe de ser,
simplesmente, mulher...
(Royke Inue)

segunda-feira, julho 04, 2011

Lápis: Eu sinto muito, realmente!

Borracha: Por que? Você não fez nada errado.

Lápis: Eu sinto que você se machuque por minha causa. Todas as vezes que eu cometo um erro, você vem e apaga o que eu faço de errado. Por tornar o meu erro limpinho, você perde uma parte de você e vai ficando cada vez menor.

Borracha: É verdade, mas eu realmente não me incomodo. Veja bem: eu fui feito para isso, para ajudar todas as vezes que você fizer alguma coisa errada. Mesmo sabendo que um dia desses eu vou embora de vez, eu sei que você nunca ficará sozinho. Outra virá e tomará o meu lugar. Na verdade, eu sou muito feliz em poder te ajudar. Por favor, pare de ficar triste. Eu detesto ver meu melhor amigo tão infeliz.

Lápis: É... Você é realmente meu amigo!

domingo, julho 03, 2011

Velório de Itamar FRanco em Juiz de Fora

O corpo do senador e ex-presidente Itamar Franco chegou à Câmara Municipal de Juiz de Fora (MG) por volta das 11h15, onde será velado neste domingo (3). Os primeiros dez minutos foram reservados à família. Cerca de 500 pessoas estão na praça em frente à Câmara e aguardam o início do velório. Ao baixar o caixão do carro do Corpo de Bombeiros, coberto com as bandeiras do Brasil e do Estado de Minas Gerais, a população homenageou o ex-presidente com uma salva de palmas. Também foram realizadas honras militares.

O corpo de Itamar Franco deixou o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no início deste domingo. O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que levou o corpo do ex-presidente de São Paulo a Minas Gerais chegou ao aeroporto de Juiz de Fora (MG) pouco depois das 10h20. O caixão foi colocado sobre um carro dos Bombeiros e seguiu em cortejo pelas ruas de Juiz de Fora até o centro da cidade.

A Polícia Militar cercou o local com alambrados e contará com 700 homens, espalhados pela praça e seu entorno, no apoio à cerimônia. Entre as autoridades previstas para participar do velório de Itamar, estão o vice-presidente da República, Michel Temer; o presidente do Senado, José Sarney; 18 senadores, entre eles Aécio Neves (PSDB-MG), e o governador do Estado de Minas Gerais, Antonio Anastasia.

O senador Itamar Franco (PPS), presidente da República de 1992 a 1994, morreu na manhã de sábado (2), aos 81 anos, em São Paulo, vítima de leucemia. Ele estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein desde o dia 21 de maio e permanecia licenciado de suas atividades no Senado. Nos últimos dias, o senador apresentou um quadro de pneumonia grave e foi transferido para a UTI. Nas últimas horas de vida, foi vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) e entrou em coma. Segundo o hospital, Itamar morreu por volta das 10h15 da manhã.

Depois de Juiz de Fora, o corpo do ex-presidente seguirá para o Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, onde será velado na segunda-feira e depois cremado. As cinzas serão levadas para Juiz de Fora e colocadas no túmulo da mãe do ex-presidente. A Presidência da República decretou luto oficial por sete dias.

Enfim você chegou!

O Tarot e a Psicologia

Ψ Jung e o Tarot - Uma Jornada Arquetípica - O Tarô é um dos espelhos do  pensamento inconsciente.  - Cada uma das cartas...